Vivo, Claro e TIM lideram reclamações em ranking do Procon-SP para 2019

Não é surpresa que as operadoras de telefonia acumulem uma quantidade enorme de reclamações, e em 2019 não foi diferente: Vivo, Claro/NET e TIM lideram o ranking de reclamações à Fundação Procon-SP no ano passado. O top 20 é dominado por bancos e varejistas online.

A Vivo está em primeiro lugar no ranking do Procon-SP, seguida pela América Móvil (Claro, NET, Embratel) e pela TIM. Juntas, elas respondem por 40% das reclamações das empresas no top 20. O índice de solução fica entre 80% e 90%.

Esse tipo de situação levou a Anatel a criar um Regulamento de Qualidade para as operadoras em todo o Brasil: elas serão avaliadas com selos indo de A até E, com base na qualidade do serviço, qualidade percebida e reclamação dos usuários. Isso será feito em cada município e estado.

Se uma operadora tiver selo D ou E, a Anatel considera que houve descumprimento de obrigação contratual, e o cliente poderá cancelar o serviço sem pagar por multa de fidelidade. A agência também poderá exigir ações específicas, como indenização aos clientes.

Ranking do Procon-SP tem varejo online e bancos

O ranking do Procon-SP também inclui uma série de varejistas online, como Cnova (Extra, Ponto Frio, Casas Bahia), B2W (Americanas.com, Submarino, Shoptime), Carrefour, Mercado Livre e Magazine Luiza.

Os bancos, que geralmente aparecem nesse tipo de lista, marcaram presença: temos aqui o Bradesco, Itaú, Caixa Econômica Federal, Santander, BMG e Banco Pan. Mais para o fim está a Samsung, única fabricante na lista.

Em uma retrospectiva de 2019, o Procon-SP comemora que o tempo de solução para as reclamações foi reduzido para dez dias. No total, a entidade atendeu 1,3 milhão de consumidores no estado, realizou 27 mil atos fiscalizatórios e aplicou R$ 331 milhões em multas (especialmente em postos de combustíveis, hipermercados e supermercados).

Posição Empresa/Grupo Total de atendimentos Índice de solução
1 Vivo/Telefônica 30.753 88,96%
2 Claro, NET e Embratel (América Móvil) 27.662 89,50%
3 TIM 22.842 80,04%
4 Pão De Açúcar, Extra, Ponto Frio e Casas Bahia varejo físico e online) 18.863 74,79%
5 Bradesco 12.344 82,81%
6 Itaú Unibanco 11.379 80,51%
7 Americanas.com, Submarino, Shoptime, Sou Barato, Lojas Americanas 7.918 84,99%
8 Eletropaulo/Enel SP 7.329 76,80%
9 Sky 7.066 80,09%
10 Carrefour 6.873 82,56%
11 Caixa Econômica Federal 6.062 80,55%
12 Santander 5.918 76,90%
13 Oi 5.393 78,92%
14 Mercado Livre 5.227 79,01%
15 Magazine Luiza 4.082 83,27%
16 Casas Pernambucanas 3.481 66,66%
17 Samsung 3.311 84,95%
18 Banco BMG 3.220 68,19%
19 Sabesp 3.209 90,11%
20 Banco Pan 3.022 72,49%

Vivo, Claro e TIM lideram reclamações em ranking do Procon-SP para 2019

Zuckerberg promete não fazer mais promessas de Ano Novo

Uma das tradições de Mark Zuckerberg no começo de cada ano é anunciar metas para próximos meses. Em 2018, ele prometeu corrigir problemas do Facebook e, em 2019, voltou a apresentar objetivos nesse sentido. Agora, ele parece ter desistido.

Zuckerberg disse que deixará de fazer promessas a serem cumpridas nos próximos meses para pensar em metas de longo prazo. “Em vez de desafios ano a ano, tentei pensar no que espero que o mundo e minha vida sejam em 2030 para garantir que estou me concentrando nessas coisas”, afirmou, em um post publicado em seu perfil.

Um dos pontos destacados pelo executivo se refere à forma como as redes sociais deverão tratar temas controversos. Embora Zuckerberg não tenha citado em seu texto, o Facebook tem recebido críticas por não ser tão rígido com desinformação, especialmente quando é disseminada por políticos.

Para o fundador do Facebook, plataformas não devem ter a palavra final sobre como lidar com assuntos como liberdade de expressão. “Não acho que as empresas privadas devem estar tomando tantas decisões importantes que tocam em valores democráticos fundamentais”, continuou.

O executivo defende que governos criem regras para resolver esses problemas, mas parece estar apenas interessado em formalizar uma autorregulamentação das redes sociais. Em seu anúncio, ele propôs um modelo como o do Comitê de Supervisão, que está sendo criado pelo Facebook para definir que tipo de conteúdo será permitido na plataforma.

Zuckerberg projeta furuto de WhatsApp e Instagram

As projeções para longo prazo também trataram de novas soluções a serem criadas nos próximos anos. Segundo o executivo, as plataformas deverão ajudar mais os pequenos negócios com recursos para vender pelo Instagram e transferir dinheiro pelo WhatsApp, por exemplo.

O WhatsApp, aliás, parece ser a grande aposta de Zuckerberg. Ele afirmou que, nos próximos cinco anos, as plataformas serão bem diferentes, com foco em interações privadas e em pequenas comunidades, exatamenta como acontece no aplicativo.

Pensando em dispositivos, Zuckerberg projeta que a realidade aumentada terá mais espaço. “Embora eu espere que os telefones ainda sejam nossos dispositivos principais durante a maior parte desta década, em algum momento da década de 2020, obteremos óculos de realidade aumentada inovadores que redefinirão nosso relacionamento com a tecnologia”.

Zuckerberg promete não fazer mais promessas de Ano Novo

Projeto de lei nos EUA quer proibir celulares para menores de 21 anos

Um projeto de lei apresentado em Vermont, nos Estados Unidos, tem uma proposta bastante inusitada: probir celulares para quem tem menos de 21 anos. A justificativa é de, que antes dessa idade, as pessoas “não são maduras o suficiente” para usá-los com segurança.

O projeto foi apresentado pelo senador estadual John Rodgers, do partido Democrata. No texto, ele argumenta que o uso de celulares é uma das principais causas para acidentes de trânsito fatais com jovens nos Estados Unidos.

Rodgers aponta ainda que os jovens “frequentemente usam celulares para praticar bullying e ameaçar outros jovens, atividades que têm sido associadas a muitos suicídios”. Ele sugere transformar o uso de celulares por menores de 21 anos em crime com pena de até um ano de prisão e multa de US$ 1.000.

Apesar da polêmica, o projeto de lei parece ser apenas um protesto contra a legislação de Vermont, que aumentou para 21 anos a idade mínima para fumar ou comprar uma arma no estado. Para Rodgers, se elas não podem fazer isso, também não poderiam ter um celular.

O parlamentar, conhecido no estado por sua posição pró-armas, afirmou que um celular é muito mais perigoso do que uma arma de fogo. Em entrevista ao Times Argus, um jornal de Vermont, ele disse que não espera a aprovação do projeto de lei. “Não tenho ilusões de que isso vai passar. Provavelmente eu não votaria nele”, disse.

Projeto de lei nos EUA quer proibir celulares para menores de 21 anos

Promoções do dia na App Store: Watered, Primo Do, MovieMator Video Editor Pro e mais!

Confira a nossa seleção de promoções nas App Stores nesta sexta-feira!

Tem problemas para lembrar de se hidratar? Conheça o Watered, criado pela Scirocco Consultants e escolhido como nosso destaque do dia.

Trata-se de um aplicativo/utilitário para hidratação. Além de lembrar dos momentos que você deve beber água, ele também permite o acompanhamento da quantidade de água bebida — tudo numa interface personalizável e com um visual bem limpo.


Ícone do app Watered

Watered

de Scirocco Consultants Inc.

Compatível com iPadsCompatível com iPhones
Versão 1.9 (36.6 MB)
Requer o iOS 8.0 ou superior

Grátis R$ 7.90

Badge - Baixar na App Store

Código QR Código QR

Screenshot do app WateredScreenshot do app WateredScreenshot do app WateredScreenshot do app WateredScreenshot do app Watered

Nota na App Store

Minha nota

Aproveite, baixe já e não esqueça de beber bastante água! 😉

·   •   ·

Abaixo outros aplicativos/jogos que, juntos, somam quase R$47 de desconto:

Apps para iOS


Ícone do app Primo Do

Primo Do

de Scirocco Consultants Inc.

Compatível com iPadsCompatível com iPhones
Versão 2.2 (16.9 MB)
Requer o iOS 8.0 ou superior

Grátis R$ 7.90

Badge - Baixar na App Store

Código QR Código QR

Organização para a vida.


Ícone do app Tiny Tanks!

Tiny Tanks!

de Owen Davis-Bower

Compatível com iPadsCompatível com iPhones
Versão 1.3.0 (119.3 MB)
Requer o iOS 9.0 ou superior

Grátis R$ 3.90

Badge - Baixar na App Store

Código QR Código QR

Batalha de tanques.


Ícone do app AllPass Pro

AllPass Pro

de Alexander Troitsky

Compatível com iPadsCompatível com iPhones
Versão 4.5 (6.5 MB)
Requer o iOS 8.0 ou superior

Grátis R$ 7.90

Badge - Baixar na App Store

Código QR Código QR

Utilitário para informações seguras.


Ícone do app Mahjong Venice Mystery Classic

Mahjong Venice Mystery Classic

de Andreas Schneider

Compatível com iPadsCompatível com iPhones
Versão 1.7.6 (154.1 MB)
Requer o iOS 8.0 ou superior

R$ 3,90 R$ 10.90

Badge - Baixar na App Store

Código QR Código QR

Um clássico dos jogos de estratégia.

App para macOS


Ícone do app MovieMator Video Editor Pro

MovieMator Video Editor Pro

de effectmatrix

Compatível com Macs
Versão 3.0.0 (103.4 MB)
Requer o macOS 10.8 ou superior

R$ 54,90 R$ 74.90

Badge - Baixar na Mac App Store

Código QR Código QR

Editor de vídeos.

·   •   ·

Aproveitem as ofertas e tenham um ótimo fim de semana! Ah, lembrando que elas são sempre por tempo limitado, então é bom correr! 🙂

A sua Smart Battery Case para iPhone XR/XS/XS Max pode ser elegível para troca

A Apple acaba de abrir um novo “programa de substituição voluntário”, que é como ela gosta de chamar seus recalls. Desta vez, o foco são as Smart Battery Cases de iPhones XR, XS ou XS Max.

De acordo com a empresa, o caso não envolve perigo de segurança — e sim refere-se a problemas que podem ocorrer com a recarga das cases e dos próprios iPhones acoplados a elas.

As unidades de Smart Battery Cases afetadas foram fabricadas de janeiro a outubro de 2019 e podem ser substituídas gratuitamente — mediante análise — em Apple Stores ou Centros de Serviço Autorizados Apple.

De acordo com a Apple, a substituição não estende a garantia da Smart Battery Cases e só serão atendidas unidades por até dois anos da sua data original de compra.

Filme da semana: compre “Shazam!”, com Zachary Levi, por R$9,90!

Semanalmente a Apple escolhe um Filme da semana na iTunes Store, cuja compra (mesmo em 4K/HDR, dependendo da produção) sai por R$9,90.

O título selecionado desta vez foi “Shazam!”, com Zachary Levi. Confira o trailer dele:

Eis a sinopse do filme:

Todos temos um super-herói dentro de nós, só é preciso de um pouco de magia para trazê-lo para fora. No caso de Billy Batson (Asher Angel), basta gritar uma palavra — SHAZAM! — e esse esperto órfão de 14 anos se transforma no Super-Herói adulto chamado Shazam (Zachary Levi), tudo graças a um feiticeiro ancião (Djimon Hounsou). Mantendo um coração de criança — dentro de um corpo sarado, como o de um deus — Shazam se encanta com essa versão adulta de si mesmo, fazendo o que qualquer adolescente faria se tivesse superpoderes: divertindo-se à beça com eles! Será que ele pode voar? Será que ele tem visão de raio-X? Será que ele consegue disparar raios pelas mãos? Ou talvez pular a prova de estudos sociais? Shazam coloca suas habilidades à prova com a alegre imprudência de uma criança. Mas ele terá que dominar esses poderes logo para enfrentar as terríveis forças do mal controladas pelo Dr. Thaddeus Sivana (Mark Strong).

Como de praxe, nosso leitor Renato Alan Promenzio [@tripalavra], que é cinéfilo de carteirinha, também nos enviou um comentário sobre o filme:

“Shazam!” mudou a forma como a DC dos últimos tempos conduzia seus filmes. Após dois “fracassos”, incluindo “Batman vs Superman: A Origem da Justiça” e “Liga da Justiça”, a escolha foi por um filme mais leve e cômico. Sem atores conhecidos ou óbvios, “Shazam!” foi recebido bem pela crítica e pelo público. Não foi um estouro mas agradou, até mesmo pela simplicidade e pela forma como o roteiro amarrou outros filmes do universo e uma continuação (“Adão Negro” vem por aí). Termino minha crítica esclarecendo que o “fracasso” supracitado foi baseado na forma negativa como ambos os filmes foram recebidos pelo(a) público/crítica especializada em geral. Até mesmo porque os fãs mais ávidos pedem que seja liberada a versão de “Liga da Justiça” com o corte de Snyder (mas isso fica para uma outra história).


Capa do filme Shazam!

Shazam!

de New Line

Classificação: 12 anos
Gênero: ação e aventura
Lançamento: 2019
Diretor: David F. Sandberg


Nota na iTunes Store

Minha nota

Aos interessados, aproveitem! 😀

Aplicativo permite que você coloque qualquer site como wallpaper do seu Mac

Cansado das belíssimas paisagens que a Apple põe como wallpapers padrão do macOS? Enjoado de imagens estáticas em geral como plano de fundo da Mesa? Pois o Plash pode ser uma solução deveras curiosa.

O aplicativo, que após instalado “mora” na barra de menus do macOS, tem a premissa mais simples do mundo: colocar qualquer página da web como seu wallpaper. Para isso, basta clicar no ícone do Flash, lá em cima, selecionar a opção “Open URL” e colar o link da página desejada — pronto! O site estará lá sendo exibido como seu plano de fundo.


Ícone do app Plash

Plash

de Sindre Sorhus

Compatível com Macs
Versão 1.0.0 (5.1 MB)
Requer o macOS 10.15 ou superior

Grátis

Badge - Baixar na Mac App Store

Código QR Código QR

Screenshot do app PlashScreenshot do app PlashScreenshot do app PlashScreenshot do app Plash

Caso queira, você pode inclusive ativar o Browsing Mode do aplicativo para interagir com o site no plano de fundo — claro, você não conseguirá fazer nenhuma navegação mais aprofundada, mas o modo é útil para dispensar uma janela popup ou abrir uma notícia rapidamente, por exemplo. É possível ainda fazer ajustes como opacidade do website na tela e o intervalo em que a página será atualizada.

Obviamente, a proposta do Plash não é para todos — muitos ainda preferirão uma calma e pacífica imagem no seu plano de fundo do que um site sendo atualizado constantemente. Ainda assim, para quem checa alguma página da web constantemente ou para quem conhece sites com belos visuais e animações calmantes (estamos aceitando sugestões nos comentários, inclusive), o app pode ser uma opção bem curiosa para refrescar sua experiência no Mac.

O Plash pode ser baixado gratuitamente na Mac App Store. Gostaram da ideia?

via 9to5Mac