TB Comunidade #018: Instagram, YouTube Music, Spotify, Vivo e mais

Já pensou em trocar de serviço de streaming de música? O problema é o mesmo da época em que eles começaram a se popularizar: a migração do catálogo musical. Quem é desapegado consegue mudar fácil, por outro lado, aqueles que dedicaram um bom tempo organizando playlists e artistas têm uma resistência justificável.

YouTube Music é uma alternativa ao Spotify, mas vale a troca? Esse foi um dos destaques da Comunidade do Tecnoblog desta semana, entre os dias 16 e 23 de maio. Confira outras discussões que rolaram ao longo dos últimos dias:

As 5 melhores discussões da Comunidade do TB:

  1. Stories em vídeo no Galaxy Note 10 fica péssimo! Como melhorar a qualidade?
  2. Telegram: vocês costumam ler todos os posts dos canais que seguem?
  3. YouTube Music ou Spotify: qual tem o melhor catálogo de músicas?
  4. Browser focado em privacidade: vocês usam? Qual recomendam?
  5. Na sua opinião, qual a importância dos pequenos provedores no mercado de banda larga?

A reclamação da qualidade dos Stories do Instagram em smartphones Android não é de hoje. Quando comparado com iPhones, fica claro que os celulares da Apple têm uma vantagem em relação ao sistema operacional do Google para usar a rede social.

Instagram

Motivo disso é a fragmentação desses smartphones: há diversas fabricantes e modelos, desde os de entrada, passando pelos intermediários e os topo de linha. Desenvolver um app que funcione em todos custa muito. E, como disse um usuário na Comunidade, se fosse rentável, o Instagram já teria feito.

Você já experimentou o YouTube Music? Talvez este seja um forte concorrente além de ser alternativa ao Spotify, ao lado do Deezer, Apple Music e outros serviços de streaming de música. O grande problema ainda é deixar de lado uma biblioteca já criada.

YouTube Music

Lembro da resistência em começar a usar esses serviços — na época o Rdio — quando tinha os arquivos de músicas que comprava ou baixava. Eu gosto muito da curadoria de músicas do Spotify e da usabilidade do app. Usei por uns meses o Apple Music como serviço principal, mas a experiência deixou a desejar.

Provedores de banda larga local tem um papel muito importante na distribuição de internet em cidades que não há cobertura das grandes operadoras, ou mesmo em bairros mais afastados.

Em 2019, as operadoras regionais já dominavam 65% do mercado de internet fixa em cidades com menos de 20 mil habitantes. Essa participação é ainda maior em cidades com um menor número de pessoas.

As 5 melhores discussões sobre pautas do Tecnoblog:

  1. Vivo Easy Prime é lançado com pagamento mensal e internet sem validade
  2. Exclusivo: Vivo terá planos de celular com Netflix, Rappi, Spotify, 99 e Premiere
  3. Windows 10 vai rodar programas de Linux com interface gráfica
  4. iFood dobra taxas de entrega para alguns restaurantes
  5. Microsoft PowerToys Run é um novo launcher para Windows 10

A Vivo anunciou um novo plano de assinatura: o Vivo Easy Prime. A nova modalidade do Vivo Easy tem valores a partir de R$ 39,99 mensais para uma franquia de 5 GB de internet, ligações e acesso ao WhatsApp ilimitados.

Lembrando que, no Vivo Easy, se o cliente não usar toda a franquia de dados, ela acumula para o próximo mês, não expira nunca. Pode não ser vantajoso para quem só usa internet. Mas, quem ainda depende de ligações, é um atrativo.

Outra novidade da operadora é pós-pago Vivo Selfie, um plano que começará a ser comercializado em junho com pacotes de serviços como Rappi e Netflix — já inclusos na assinatura do plano.

Vivo Easy Home / Lucas Braga / Tecnoblog

Com exclusividade, o Tecnoblog também apurou que esse pós-pago também trará opções de assinatura com Spotify, 99 e Premiere — também incluindo assinatura desses serviços ou desconto em corridas.

O Vivo Selfie custará a partir de R$ 149,99 com uma franquia de 25 GB para navegação convencional e mais a franquia do serviço escolhido. O plano também incluirá ligações ilimitadas e diárias de roaming internacional ilimitadas para países das Américas.

TB Comunidade #018: Instagram, YouTube Music, Spotify, Vivo e mais

Utilitário gratuito substitui os ícones da sua Touch Bar por um Dock, widgets e atalhos contextuais

Comprou um MacBook Pro recente, mas não vê muita utilidade na Touch Bar? Você tem duas opções: ignorá-la solenemente ou tentar alterar sua natureza para que ela traga algo de útil ao seu padrão de uso. Se a segunda opção lhe parece mais interessante, temos hoje uma boa dica: o EnergyBar.

Trata-se de um utilitário gratuito e de código aberto para o macOS que, bom, substitui quase completamente os elementos da barrinha por widgets e atalhos contextuais de acordo com o seu uso. Você pode personalizar o software para que ele mostre exatamente o que você quiser — a começar por um Dock, onde é possível exibir seus aplicativos e diretórios favoritos (e, quem sabe, esconder permanentemente o Dock na Mesa para economizar espaço).

Também é possível adicionar widgets à barrinha: um deles mostra o app aberto no momento, enquanto outro traz uma tela de “Now Playing” para exibir a música que está sendo reproduzida no momento — basta tocar e segurar para abrir seu aplicativo de reprodução musical. Outros exemplos de widgets incluem clima, nível de bateria, relógio e muito mais.

Os elementos “nucleares” da Touch Bar continuam intactos: você ainda terá acesso à tecla Esc (nos MacBooks Pro que não contam com a tecla física, é claro) e à barra de controles, com ajustes de volume e brilho.

O EnergyBar pode ser baixado diretamente na sua página do GitHub. Vale a pena dar uma olhada — e conferir uma vida nova à sua barrinha.


MacBook Pro de 13"

MacBook Pro

de Apple

Preço à vista: a partir de R$12.806,10
Preço parcelado: em até 12x de R$1.185,75
Cores: cinza espacial ou prateado
Lançamento: maio de 2020


MacBook Pro de 16"

MacBook Pro de 16″

de Apple

Preço à vista: a partir de R$19.169,10
Preço parcelado: em até 12x de R$1.774,92
Cores: cinza espacial ou prateado
Lançamento: 2019

dica do Paulino Filho

Apple deverá lançar um novo app Mensagens para macOS

A notícia em si não é nova, e vale ser relembrada: em meados de 2019, o desenvolvedor Steve Troughton-Smith mostrou haver indícios de que a Apple estava trabalhando em um novo app Mensagens para o macOS, o qual seria uma versão adaptada do app que roda no iPad.

Tal iniciativa é fruto do projeto Mac Catalyst, que tem como premissa facilitar a criação/adaptação de apps do iPadOS para o macOS, tornando as coisas mais simples para desenvolvedores.

Como comentamos no vídeo publicado hoje em nosso canal no YouTube, muitos dos recursos presentes no Mensagens do iOS/iPadOS não está presente no do macOS (como os efeitos de mensagens, extensões de apps e adesivos); um novo aplicativo usando o Mac Catalyst acabaria com essa discrepância.

Agora, o 9to5Mac afirmou que isso (um novo app fruto do Mac Catalyst) muito provavelmente acontecerá mesmo na próxima versão do macOS, a ser apresentada pela Apple em junho, na WWDC20.

O site encontrou evidências de uma versão Catalyst do aplicativo Messages no build do iOS 14 que eles têm em mãos, e confirmaram que o app conta com todos os recursos ausentes na atual versão. Ainda que o Mac Catalyst tenha as suas limitações, o atual app Mensagens no macOS está “abandonado”; ter a chance de lançar/fazer a manutenção de apenas uma versão do app para ambas as plataformas (iOS/iPadOS e macOS) resolve de uma vez por todas esse problema.

Vale lembrar que o Mensagens não será o primeiro app portado do iPad para o Mac; quando lançou o macOS Catalina, a Maçã incluiu os apps Gravação, Podcasts, Bolsa e Casa pela primeira vez no sistema — graças, justamente, ao Mac Catalyst (anteriormente conhecido como “Projeto Marzipan”).

Vídeo: os vários efeitos do iMessage

Quando se trata de popularidade de mensageiros, especialmente no Brasil, não há para ninguém: o WhatsApp lidera com uma folga gigantesca.

Mas há quem ame a rede de mensagens da Apple, o iMessage, e dê prioridade a ela para falar com parentes/amigos que também usam iPhones, iPads e/ou Macs.

O aplicativo Mensagens nativo do iOS, iPadOS e macOS está muito longe de ser perfeito, mas tem algumas “cartas na manga”. Uma delas, a gente mostra em detalhes no vídeo de hoje: os vários efeitos de texto e tela cheia que você pode usar nos seus chats.

De quebra, também falamos sobre o recurso Tapback e como você pode enviar mensagens manuscritas para os seus contatos. 😉

Curtiu? Então dá um joinha lá no YouTube!

Os 5 artigos mais lidos no MacMagazine: de 17 a 24 de maio

Semanalmente, destacamos aqui os 5 artigos mais lidos no MacMagazine — caso você tenha perdido algum ou queira reler a matéria (e/ou seus comentários).

Eis a lista da vez, de 17 a 24 de maio:

iPhones 11 produzidos no Brasil já estão no mercado

Apple libera iOS 13.5, iPadOS 13.5 e tvOS 13.4.5 para usuários

Gradiente leva sua briga com a Apple para o STF

Vídeo: Q&A — o preço do iPhone XR vai cair?

Apple libera versões Golden Master do iOS 13.5, do iPadOS 13.5 e do tvOS 13.4.5

Boa (re)leitura! 😉

unc0ver: ferramenta de jailbreak para todos os iPhones que rodam o iOS 13.5 está agora disponível

Há alguns dias, nós informamos que um jailbreak para o iOS/iPad 13.5 (liberado pela Apple no início da semana) estava muito próximo de ser lançado. Bem, ele chegou!

O anúncio é importante pois a ferramenta unc0ver v5.0.0 explora uma brecha 0-day (o que significa que ela é totalmente desconhecida pela empresa responsável pelo software — no caso, a Apple), algo que não acontece desde o iOS 8.

A nova versão da ferramenta é compatível com dispositivos rodando do iOS 11 ao 13.5 (com exceção do iOS 12.3-12.3.2 e do 12.4.2-12.4.5), englobando até mesmo os últimos iPhones e iPads lançados pela Apple! Você pode baixar a nova ferramenta no site oficial da equipe unc0ver.

Todas as alterações incorporadas na versão 5.0.0 da unc0ver estão descritas no repositório GitHub do hacker Pwn20wnd, um dos líderes da equipe unc0ver.

Como sempre, vale a recomendação de aguardar alguns dias antes de prosseguir. A unc0ver v5.0.0 acaba ser lançada e, por mais que os hackers responsáveis por ela costumem fazer um ótimo trabalho, é normal vários bugs serem corrigidos nos dias subsequentes a liberações como essa.

Aos que forem se aventurar, comentem suas experiências abaixo! 😉

Apple recebe 17 indicações ao Daytime Emmy Awards; especial de “Mythic Quest” angariou US$600 mil para combater a COVID-19

Mais um dia, mais uma leva de notícias sobre o Apple TV+!

Vamos a elas?

Daytime Emmy Awards

Já começamos com um motivo para comemorações em Cupertino: as séries do Apple TV+ receberam, coletivamente, 17 indicações aos Daytime Emmy Awards de 2020 — mais do que a HBO, a Hulu ou o YouTube.

Daytime Emmy Awards

Os Daytime Emmy Awards, vale notar, são diferentes dos Primetime Emmy Awards (que são considerados os Emmys “mais prestigiados”). A diferença entre ambos é que o primeiro trata da programação diurna da TV, enquanto o segundo premia séries e reality shows do horário nobre.

A distinção, claro, não funciona para uma plataforma de streaming como o Apple TV+, mas os Daytime Emmy Awards premiam séries mais leves e indicadas para todos os públicos, enquanto os Primetime Emmy Awards têm como foco os “medalhões” do serviço, com indicação adulta.

Das séries do Apple TV+, “Ghostwriter” foi a que recebeu mais indicações — oito no total, incluindo Fotografia, Roteiro e Direção de Programa Infantil. “Helpsters” recebeu cinco indicações, incluindo Melhor Série Infantil Pré-Escolar; “Snoopy in Space”, por sua vez, ficou com quatro nomeações.

A premiação dos Daytime Emmy Awards será transmitida no dia 26 de junho, num formato adaptado para o período de isolamento social — os vencedores serão anunciados remotamente, com participações especiais de estrelas do audiovisual também diretamente das suas casas.

Arrecadação do episódio especial de “Mythic Quest”

falamos aqui (duas vezes) sobre o episódio especial de “Mythic Quest: Raven’s Banquet”, filmado com iPhones diretamente das casas das estrelas da série. Além de dar prosseguimento à narrativa, o episódio também teve um caráter beneficente — e que rendeu um bom engajamento do público, pelo visto.

Em entrevista à Variety, o criador e astro da série, Rob McElhenney, afirmou que o episódio angariou US$300 mil em doações para o fundo de combate à COVID-19 da Mercy Corps. McElhenney e sua esposa, então, dobraram a quantia e entregaram US$600 mil, no total, à iniciativa.

Excelente, não?

Série sobre o blog Gawker

Enquanto isso, parece que a Maçã está desenvolvendo uma nova produção nos seus porões do audiovisual: uma série sobre o infame blog Gawker, que por 13 anos foi um dos principais portais de fofocas e notícias sobre o mundo da mídia — até ser encerrado em 2016 por problemas financeiros decorrentes do pagamento de uma indenização milionária.

De acordo com a Vanity Fair, a série foi concebida por dois ex-redatores do Gawker, Max Read e Card Jefferson; eles apresentaram o projeto à Apple e, com o sinal verde da empresa, estão escrevendo os episódios junto a outros ex-empregados do site. Ainda não há mais informações sobre a produção, mas… pode sair algo interessante daí, hein?

“Helpsters Help You”

Por fim, temos mais um episódio da minissérie do YouTube “Helpsters Help You”, no qual Cody — personagem da série infantil “Helpsters” — ajuda crianças a lidarem com seus sentimentos e problemas do dia a dia.

Em “How To Be Together” (“Como Estar Junto”), ela dá dicas de como os pequenos podem se divertir em conjunto mesmo estando fisicamente separados.

Fofo, não?