Desenvolvedor torna Touch Bar compatível com o Windows 10

A utilidade da Touch Bar no macOS é debatível e vai depender muito do padrão de uso de cada um, mas uma coisa é inegável: se você costuma rodar o Windows 10 no seu MacBook Pro, a barrinha é completamente inútil nesses momentos — ela simplesmente exibe os botões de função que estariam ocupando aquele lugar fisicamente em outros computadores, sem nenhuma outra utilidade ou integração. Um intrépido hacker, entretanto, resolveu encarar esse problema.

O desenvolvedor @imbushuo conseguiu fazer a Touch Bar funcionar com o Windows 10 rodando via Boot Camp, tornando a barrinha minimamente mais útil ao usar o sistema operacional da Microsoft. Com a integração, a telinha secundária passa a exibir a barra de tarefas do sistema, e você pode tocar nos ícones para abrir o Menu Iniciar, evocar a busca ou a Cortana e alternar entre aplicativos.

É bem verdade que, no momento, a utilidade da integração é limitada: ela pode somente espelhar a barra de tarefas na tela superior, sem outras funcionalidades contextuais por aplicativo; não é possível ocultar a barra na tela principal e deixá-la somente na Touch Bar, o que economizaria espaço de tela — mas requereria a configuração de um driver de display virtual no qual o desenvolvedor não tem interesse em trabalhar no momento. O Touch ID não funciona, também.

Para conquistar o feito, o desenvolvedor simplesmente modificou o perfil da Touch Bar reconhecido pelo Windows: normalmente, o sistema identifica a barrinha como um teclado virtual, mas com algumas modificações é possível fazer com que ele “pense” que a tela secundária é justamente isso: uma tela secundária.

Por ora, se você quiser se aventurar a fazer uma modificação parecida, precisará lidar com um bocado de arquivos de configuração contidos num repositório no GitHub — o desenvolvedor não criou um app “bonitinho” para que usuários instalem a funcionalidade, então o processo é recomendado apenas para usuários avançados. É bom notar, também, que a peripécia pode exigir mais que o normal da bateria do seu computador e até causar problemas com outros aspectos do sistema, como o Wi-Fi ou o Bluetooth.

Em outras palavras: até que alguém se preste a pegar esses achados e transformá-los num utilitário auto-contido, fácil de instalar e com os problemas resolvidos, é salutar que a Touch Bar no Windows continue sendo apenas uma curiosidade. Mas é um começo, não?

via iPhone Hacks

Os 5 artigos mais lidos no MacMagazine: de 21 a 28 de julho

https://www.shutterstock.com/pt/image-photo/paris-france-sep-27-2018-fashionable-1191260527?src=JLzBea76C6coRu488FvwqQ-1-95

” data-medium-file=”https://zazo.com.br/wp-content/uploads/2019/07/06-mulher-600×400.jpg” data-large-file=”https://macmagazine.uol.com.br/wp-content/uploads/2018/10/06-mulher-1260×841.jpg”>

Semanalmente, destacamos aqui os 5 artigos mais lidos no MacMagazine — caso você tenha perdido algum ou queira reler a matéria (e/ou seus comentários).

Eis a lista da vez, de 21 a 28 de julho:

Boa (re)leitura! 😉

Depois de muitos anos, DOOM e DOOM II estão de volta à App Store

Parece que foi ontem, mas lá se vão dez anos desde que a id Software, responsável pela amada franquia de jogos DOOM, lançou os dois títulos originais da série (de 1993 e 1994) na App Store. De lá para cá, muita coisa aconteceu: em 2012, o estúdio resolveu fechar sua divisão mobile e abandonar o desenvolvimento dos games, que estavam longe do iOS desde então. Agora, eles estão de volta.

De surpresa, a Bethesda (que assumiu o desenvolvimento da franquia) anunciou ontem na conferência QuakeCon que DOOM e DOOM II estão sendo novamente disponibilizados na App Store — e também, pela primeira vez, no Google Play. O Xbox 360, o PS4 e o Nintendo Switch também receberão os títulos, assim como DOOM 3, de 2004.

No iOS e no Android, a versão disponibilizada de DOOM já conta com a expansão Thy Flesh Consumed; DOOM 2, por sua vez, traz os 20 Master Levels adicionais e suporte a multiplayer ou modo cooperativo com até quatro jogadores. Os jogos são cópias diretas dos clássicos dos anos 1990: não estamos falando de um remake com gráficos ou mecânica atualizados nem nada do tipo — você sabe exatamente o que esperar, portanto.

Os jogos já estão disponíveis para compra na App Store (DOOM, DOOM II) por R$19 cada, e são compatíveis com iPhones, iPads e iPods touch rodando o iOS 11 ou superior.


Ícone do app DOOM

DOOM

de id Software

Compatível com iPadsCompatível com iPhones
Versão 2.8 (446.8 MB)
Requer o iOS 11.0 ou superior

R$ 18,90

Badge - Baixar na App Store

Código QR Código QR


Ícone do app DOOM II

DOOM II

de Bethesda

Compatível com iPadsCompatível com iPhones
Versão 1.0 (444.1 MB)
Requer o iOS 11.0 ou superior

R$ 18,90

Badge - Baixar na App Store

Código QR Código QR

via SlashGear

Ainda mais novos modelos de iPads são registrados na Eurásia

Imagem oficial: https://www.apple.com/br/ipad-pro/

” data-medium-file=”https://zazo.com.br/wp-content/uploads/2019/07/12-ipads-pro-600×327.jpg” data-large-file=”https://macmagazine.uol.com.br/wp-content/uploads/2017/09/12-ipads-pro-1260×687.jpg”>

Há poucas semanas, cinco novos modelos de iPads foram descobertos em registros feitos pela Apple no banco de dados da Eurasian Economic Commission (EEC).

Hoje, o site MySmartPrice encontrou mais dois: A2200 e A2232. Ambos constam no sistema como rodando o iPadOS 13, é claro — mas infelizmente não há nenhum detalhe extra sobre eles.

Vale lembrar que a Apple lançou novos iPads Air e mini em meados de março passado, os quais chegaram ao Brasil no final de abril. Essas linhas, portanto, não deverão ser mexidas por agora.

A expectativa é que tais códigos refiram-se a novos iPads Pro e talvez também a um novo iPad “puro”, de entrada, com tela de 10,2 polegadas.

O próximo evento especial da Apple deverá ocorrer em setembro, provavelmente focado em novos iPhones e Apple Watches. Esses novos iPads, quem sabe junto a novos Macs também, seriam lançados só em outubro.

Terceirizados da Apple ouvem conversas particulares pela Siri, segundo um deles

A Apple é a guardiã-mor da privacidade do usuário na comunicação, mas, na prática, nem a poderosa Maçã passa incólume pela falta de privacidade que é (quase) inerente à vida digital. Uma nova reportagem de The Guardian mostra bem isso.

O jornal britânico ouviu um funcionário de uma empresa contratada pela Apple para realizar análises de trechos de áudios processados pela Siri — pequenos clipes de voz gravados pela assistente dos seus usuários e enviados para análise a fim de aprimorar seu sistema de reconhecimento de fala. Pelo depoimento do empregado, o conteúdo dessas gravações passa longe de ser inofensivo ou descartável.

Segundo ele, os funcionários terceirizados frequentemente ouvem gravações altamente privativas e sensíveis dos usuários, com áudios de pessoas fazendo sexo, discutindo tratamentos com médicos, fechando negócios confidenciais ou realizando atos criminosos, como negociações de drogas. A frequência com que esses áudios são “acidentalmente” capturados pela Siri é alta, de acordo com o denunciante.

É bom notar que, como parte da estratégia de privacidade diferencial da Apple, as gravações não são acompanhadas de dados pessoais dos usuários; além disso, a Maçã deixa claro nos termos de uso da Siri que algumas das gravações capturadas pela assistente podem ser revisadas por seres humanos.

O problema aqui, adverte o funcionário, é que o caráter anônimo dessas gravações não é tão anônimo assim: em alguns casos, os trabalhadores analisam trechos de até 30 segundos de áudio, em que é possível facilmente ouvir informações pessoais do usuário e traçar um perfil dele. Além disso, a Apple não deixaria explícito o suficiente para seus clientes que a Siri pode ter falsos positivos nas suas ativações — isto é, ela pode “acordar” e começar uma gravação em um momento aleatório, sem que você a tenha chamado, simplesmente por ter capturado um áudio semelhante ao do seu comando.

Em resposta ao Guardian, a Apple reiterou que os clipes da Siri sempre são analisados de forma anônima, e uma parcela aleatória de menos de 1% das ativações da assistente é usada diariamente para conferência — a maioria dos clipes de voz tem, no máximo, alguns segundos de duração. “Todos os analisadores têm a obrigação de seguir os termos de confidencialidade rigorosos da Apple”, afirmou a empresa.

Segundo o funcionário ouvido pelo jornal, entretanto, a resposta não é suficiente — outros analisadores, mal-intencionados, poderiam muito bem usar as informações obtidas nos clipes com intenções maldosas contra os usuários da empresa. É bem verdade que as chances de isso acontecer são pequenas, mas, ainda assim, fica o lembrete: privacidade absoluta, na era digital, é uma utopia — mesmo com a Apple.

via AppleInsider

Mural MM, edição LXXXV

Todo sábado, nós publicamos um novo Mural MM aqui no site. Esta é a edição LXXXV.

Funciona assim: semanalmente, selecionamos no Instagram cinco fotos de leitores do MacMagazine marcadas com a hashtag #MuralMM (de contas públicas e de preferência sem filtro) e que tenham, obviamente, sido tiradas com iPhones. Simples, assim!

Confira as de hoje:

Ver essa foto no Instagram

Ouh là là! 😍👌🇫🇷❤✨ #muralmm

Uma publicação compartilhada por isaac monteiro (@isaacmonteiro1) em

Ver essa foto no Instagram

Deixa que corra aquele sentimento bom que vem de dentro de ti. Mas se um dia chorar, saiba que existem pessoas que acreditam em ti, e olhe pra frente, pois há um futuro de luz esperando por nós. -Let it run that good feeling that comes from within you. But if one day you cry, know that there are people who believe in you, and look ahead, for there is a future of light waiting for us. #baby #babyphoto #babyphotoshoot #babyphotography #arthur #light #2019 #newyear #peace #love #peaceandlove #family #God #jahbless #blessed #sejaluz #iphone #iphone8 #iphonephotography #iphonephotos #iphone8photography #iphoneshot #pazinterior #spiritual #spiritually #spiritualquotes #muralmm

Uma publicação compartilhada por Szemberg_Robson (@robson_szemberg) em

Ver essa foto no Instagram

🏝 —— #shotoniphone #muralmm

Uma publicação compartilhada por caiubi gabriel (@caiubinogueira) em

Evitamos sempre colocar mais de uma foto da mesma pessoa por semana.

Comentem o que acharam! 😉

Tópicos do MM Fórum: película no Apple Watch, CleanMyMac X, Magic Mouse perdendo conexão e mais!

Semanalmente, nosso moderador Ramon Nicotari seleciona cinco tópicos que estejam rolando no MM Fórum para serem destacados por aqui.

MM Fórum

Os tópicos são escolhidos de acordo com o nosso bom senso, pelo número de respostas, pela atualidade do assunto e/ou por quão úteis eles podem ser para o público em geral. Vamos aos links desta semana?

Tópico Autor Respostas
Película no Apple watch – usar ou não usar? Guilherme de Almeida 53
Clean My Mac X cfroes 14
Macbook com 10anos de uso tem solução ? Pedro Diniz 5
Catalina Diminuindo o SSD Nikon 5
Magic Mouse perdendo conexão ao retornar do repouso rafarmoreira 2

Boas discussões, pessoal! 😉