Tour pela Ásia: na Tailândia, Tim Cook encontra bolsistas da WWDC, time de vôlei e mais

O CEOJapão e Singapura — onde se reuniu com funcionários locais, fotógrafos, desenvolvedores, atletas, etc. —, compartilhou os melhores momentos da sua visita à Tailândia no Twitter.

O executivo foi a Bangkok, capital do país, onde encontrou com alunos, professores e atletas — além de visitar alguns dos pontos turísticos da cidade.

Para dar início às suas atividades na Tailândia, Cook foi ao Templo do Amanhecer (Wat Arun), localizado às margens do Rio Chao Phraya, um dos maiores do país.

สวัสดี Tailândia! Minha jornada esta manhã ao longo do Rio Chao Phraya culminou em uma visita ao pacífico Wat Arun. Obrigado Jirasak Panpiansin por me mostrar este templo histórico através de suas lentes. (IG: joez19) 🇹🇭

Após sua visita ao Templo do Amanhecer, Cook visitou a escola Satit-Chula (que utiliza o currículo do programa Criatividade Para Todos (“Everyone Can Create”) para se encontrar com os alunos e professores da instituição.

Mais do que impressionado com os alunos de Satit-Chula em Bangkok, que estão usando o Everyone Can Create para aprender a ciência por trás de como o dia se torna noite. Aqui vai para alcançar as estrelas! ⭐️

Cook também se encontrou com a equipe nacional de vôlei feminina tailandesa, vencedora dos Jogos do Sudeste Asiático deste ano, para acompanhar como elas usam o ‌iPad‌ e o ‌Apple Watch‌ em seus treinamentos.

Parabéns à equipe nacional feminina de vôlei da Tailândia por ganhar o ouro no #SEAGames2019! Ótimo conhecer o treinador Danai, @nootsara13, @malikaboth e o restante da equipe e ver como eles usam o Apple Watch e o iPad nos treinamentos. สู้ๆ โชคดีสำหรับรอบคัดตัวโอลิมปิกนะครับ

O executivo também se encontrou com dois alunos vencedores da bolsas de estudos da WWDC e conheceu o “studygrammer” (adepto da prática de aprender pela web, mais precisamente através do Instagram) Peanut Butter, que traduz o idioma tailandês em softwares para iOS.

Passar o tempo com os vencedores da bolsa da WWDC da Tailândia, Kiratijuta e Patcharapon preencheu meu coração. É incrível ver como suas carreiras decolaram desde a WWDC! E muito bom conhecer o studygrammer Peanut Butter, que dá vida à intrincada caligrafia tailandesa no iPad. Impressionante!

É provável que essa tenha sido a última parada do executivo no seu tour pelo continente asiático, mas continuaremos acompanhando as movimentações do CEO.

iTunes Remote agora suporta o macOS Catalina; Photoshop para iPad ganha seleção de objetos; e mais!

E cá estamos nós de novo com as atualizações recentes mais importantes da App Store! Vamos dar uma olhada nelas?

iTunes Remote


Ícone do app iTunes Remote

iTunes Remote

de Apple

Compatível com iPadsCompatível com iPhones
Versão 4.5 (13.7 MB)
Requer o iOS 11.4 ou superior

Grátis

Badge - Baixar na App Store

Código QR Código QR

O “controle remoto de mídias” da Apple chegou à versão 4.5 depois de mais de um ano sem atualizações. E as novidades são importantes: finalmente, o iTunes Remote ganha suporte ao macOS Catalina, permitindo que você controle a reprodução dos novos apps Música e TV.

iTunes Remote em modo escuro

Além disso, o app ganhou um Modo Escuro próprio, que integra-se ao iOS 13 e à sua preferência global de estilo.

Photoshop para iPad


Ícone do app Adobe Photoshop

Adobe Photoshop

de Adobe Inc.

Compatível com iPads
Versão 1.1 (236.1 MB)
Requer o iOS 13.1 ou superior

Grátis

Badge - Baixar na App Store

Código QR Código QR

A Adobe já tinha prometido, após a leva inicial de reações negativas dos usuários, levar novos recursos ao Photoshop para iPad rapidamente. Hoje, a gigante está começando a cumprir o compromisso: na versão 1.1, o editor de imagens ganhou o recurso Select Subject (seleção de objetos).

Select Subject no Photoshop para iPad

O recurso, que usa altas doses do Adobe Sensei (mecanismo de aprendizado de máquina da empresa), permite que você faça uma seleção automática e precisa em torno do objeto principal da sua camada. Ele pode ser acessado tocando e segurando na ferramenta de seleção.

Além disso, a versão 1.1 do Photoshop Para iPad traz melhorias no gerenciamento de arquivos da nuvem, com ganhos em velocidade e sincronização. A preferência entre Modo Claro e Escuro pode, ainda, ser sincronizada com sua configuração global do iPadOS 13, e o app ainda traz várias correções de bugs e falhas aqui e ali.

Opera Touch


Ícone do app Browser Opera Touch

Browser Opera Touch

de Opera Software AS

Compatível com iPadsCompatível com iPhones
Versão 2.1.0 (63.1 MB)
Requer o iOS 11.0 ou superior

Grátis

Badge - Baixar na App Store

Código QR Código QR

Screenshot do app Browser Opera TouchScreenshot do app Browser Opera TouchScreenshot do app Browser Opera TouchScreenshot do app Browser Opera TouchScreenshot do app Browser Opera TouchScreenshot do app Browser Opera TouchScreenshot do app Browser Opera TouchScreenshot do app Browser Opera TouchScreenshot do app Browser Opera Touch

Enquanto isso, o navegador da Opera para iOS ganhou suporte total ao Modo Escuro do iOS 13 — ou seja, o browser adaptará o seu visual de acordo com a sua preferência global do sistema, a não ser que você altere isso manualmente.

Temos, ainda, várias correções de bugs e melhorias de estabilidade.

Things


Ícone do app Things 3

Things 3

de Cultured Code GmbH & Co. KG

Compatível com iPhonesCompatível com Apple Watches
Versão 3.11 (79.4 MB)
Requer o iOS 12.1 ou superior

R$ 37,90

Badge - Baixar na App Store

Código QR Código QR


Ícone do app Things 3 for iPad

Things 3 for iPad

de Cultured Code GmbH & Co. KG

Compatível com iPads
Versão 3.11 (50.9 MB)
Requer o iOS 12.1 ou superior

R$ 74,90

Badge - Baixar na App Store

Código QR Código QR

Screenshot do app Things 3 for iPadScreenshot do app Things 3 for iPadScreenshot do app Things 3 for iPadScreenshot do app Things 3 for iPadScreenshot do app Things 3 for iPadScreenshot do app Things 3 for iPad

Por fim, o famoso app de tarefas trouxe uma atualização com melhorias focadas basicamente no recurso de busca Quick Find. No Things 3.11, o mecanismo passa a ser ainda mais poderoso: você pode, por exemplo, gerar listas instantaneamente com certos tipos de tarefas ou projetos — se você digitar “deadlines”, por exemplo, todas as suas datas-limites futuras aparecerão imediatamente; ao digitar “repeating”, você poderá checar todas as tarefas que se repetem periodicamente.

Você pode, ainda, tocar no título de uma lista para iniciar uma busca instantânea e pular entre listas rapidamente por meio do Quick Find. A nova versão do Things permite, também, que você veja e compartilhe a exata data e hora que um projeto foi criado ou concluído; mais caracteres são reconhecidos como separadores de listas, e a barra lateral está maior nos iPads Pro para que os títulos mais longos de projetos apareçam inteiramente.

As mudanças já estão disponíveis no Things para iPhone e iPad, e chegarão em breve à versão do aplicativo para macOS.

Apple atualiza firmware dos AirPods Pro e AirPods de segunda geração

https://www.shutterstock.com/pt/image-photo/paris-france-oct-30-2019-charging-1545943244

” data-medium-file=”https://zazo.com.br/wp-content/uploads/2019/12/14-airpods-pro-600×400-1.jpg” data-large-file=”https://macmagazine.uol.com.br/wp-content/uploads/2019/11/14-airpods-pro-1260×840.jpg”>

A exemplo do que fez há pouco mais de um mês, a Apple atualizou hoje novamente o firmware dos AirPods Pro — e também do modelo de segunda geração.

Até agora, os AirPods Pro estavam rodando sob o firmware 2B588, enquanto os AirPods de segunda geração estavam no 2A364. Agora, ambos foram atualizados para o 2C54.

O que exatamente mudou? Não há como saber, já que a Apple não comunica absolutamente nada sobre a atualização. Na verdade, o usuário não sabe nem mesmo que ela existe, pois tudo é feito de forma automática e completamente silenciosa — quando você usar os fones e eles se conectarem ao iPhone/iPad, a atualização é feita.

Ainda assim, é possível que o update tenha melhorado a conectividade dos fones ou tenha corrigido algum problema em menor escala.

Para ver se você está rodando a compilação mais recente, vá em Ajustes » Geral » Sobre, role a tela para baixo, toque em “AirPods Pro” e veja a versão do firmware.


Botão - Comprar agora

AirPods

de Apple

Preço à vista: a partir de R$ 1.214,10
Preço parcelado: em até 12x de R$ 112,42
Característica: fones sem fio
Lançamento: março de 2019

via MacRumors | imagem: Hadrian / Shutterstock.com

MM Responde: como deletar versões salvas automaticamente no macOS?

Hoje é dia da nossa coluna MM Responde!

A pergunta do dia é: como deletar versões salvas automaticamente no macOS?

Salvamento Automático (Auto Save) e versões

Um recurso bem legal do macOS é o salvamento automático de versões. Aplicativos como Pages, Numbers e Keynote conseguem reduzir drasticamente a necessidade de esforço no processo de salvamento de documentos.

Quando o recurso está ativado, uma “versão” do documento é automaticamente salva pelo menos uma vez por hora, a cada vez que o documento é aberto, duplicado, bloqueado ou renomeado, e você pode navegar por essas versões e reverter para qualquer uma delas ou aproveitar pedaços do documentos em seu trabalho atual.

Versões no macOS

Agora, se você utiliza imagens ou itens muito grandes e não deseja ter tantas cópias armazenadas, há uma forma de reduzir essas versões.

Eliminando versões

Abra um documento e siga os passos a seguir para eliminar uma ou mais de suas versões:

  1. Vá ao menu Arquivo » Reverter Para » Explorar Todas as Versões…
  2. Na janela de navegação de versões, escolha o que deseja eliminar na coluna da direita.
  3. Mova o cursor para o topo da tela e aguarde o aparecimento da barra de menus.
  4. Nela, vá em Arquivo » Reverter Para » Apagar Esta Versão… e confirme a exclusão.
Versões - Apagar versão

Se desejar excluir mais de uma versão, basta repetir o processo quantas vezes você precisar/quiser. Que tal, conhecia esse recurso?

·   •   ·

Se você procurou resposta no MM Fórum e não encontrou ou se você simplesmente tem alguma sugestão para o MM Responde (selecionaremos uma por vez), é só mandar um email para mim [marcelo arroba nosso domínio] ou falar comigo no Twitter [@marcelodemelo].

Até a próxima! 😉

Obrigado aos nossos 192 patrões! Vocês são demais!

Mensalmente, fazemos questão de agradecer de coração a todos os que estão nos apoiando pelo Patreon ou pelo Catarse Por quê? Explicarei rapidamente, abaixo.

Já são mais de dez anos produzindo conteúdo sem parar. Ao todo, foram mais de 57.000 artigos, 350 episódios do nosso podcastmais de 300 vídeos no YouTube — sem falar na moderação de um Fórum com mais de 56.000 membros cadastrados e mais de 416.000 posts!

Não é fácil manter isso tudo por tanto tempo — muito menos com o nível de dedicação e qualidade que nos impomos todos os dias, inclusive fins de semana e feriados, já que o MacMagazine não para!

Logos do Patreon e do Catarse

Apesar de contarmos com a colaboração de uma equipe incrível, da qual nos orgulhamos demais, grande parte desse ecossistema do MM é mantido basicamente pela dupla Rafael Fischmann e Eduardo Marques, e nossos redatores.

Nossos custos mensais (incluindo hospedagem de toda a nossa infraestrutura, remuneração de redatores/colunistas e moderadores do MM Fórum, resolução de problemas técnicos, equipamentos, etc.) são bastante elevados. A ideia, desde o começo, era sustentar tudo isso com publicidade; a realidade, infelizmente, não é essa.

Por isso tudo, abrimos o Patreon e o Catarse: para que você, nosso fã, leitor, ouvinte — ou como quer que prefira se colocar — possa nos apoiar, financeiramente, a fim de manter todo esse projeto ativo e em constante crescimento. Não importa com o quanto você nos apoia; somos igual e eternamente gratos a todos!

São hoje 192 pessoas1 que fazem parte do nosso quadro de patrões. Além de nos apoiar, todos obtêm alguma recompensa como participar dos sorteios que realizamos no site, poder acompanhar as gravações do nosso podcast ao vivo — e até participar de um episódio! —, ter prioridade para viajar com a gente em futuros MM Tours, acessar o nosso grupo fechado no Facebook para bater-papo com a equipe e com outros patrões, entre outras coisas.

Ainda assim, estamos bem longe de bater a nossa meta. É claro que 192 é um número incrível, porém não chega a representar nem 0,1% do público que acompanha o nosso trabalho diariamente. E não se engane: qualquer contribuição, seja do valor que for, é muito bem-vinda!

Por isso, somos absurdamente gratos a todos os que apoiam o nosso trabalho no MacMagazine, em especial aos nossos patrões a seguir listados. Saibam que *todos* vocês estão contribuindo enormemente para o mantimento do nosso projeto.

Badge de Patrões Platinum Patrões Platinum

Logo da Go Imports

Logo da MacServices

Logo da Monetizze

Badge - Patrão Ouro Patrões Ouro

  • Alan Ribeiro Leitão
  • Cristiano Melo Gamba
  • Emir Zanatto
  • Enio de Almeida Feitosa
  • José Carlos de Jesus
  • Leonardo Fialho
  • Luciano Flehr
  • Pedro M Colbachini

Badge - Patrão Prata Patrões Prata

Badge - Patrão Bronze Patrões Bronze

  • Adelino Ferreira
  • Akira Kiam
  • Alan Wünsch
  • Alberto Yano
  • Alexander Jun Matsuda
  • Alexandre Balbao
  • Alexandre Barreto
  • Alexandre Colares
  • Alexandre Jensen
  • Alexandre Torres
  • Alvaro Silveira Neto
  • Anderson Chamon
  • Andre Cataldi
  • Andre Correia
  • Augusto Cesar Bittencourt Pires Junior
  • Bruno Barbieri
  • Bruno Franco
  • Cacá Lima Foto
  • Carlos D. Panzan
  • Carlos Eduardo Pinto
  • Christian Mentta
  • Christian Nakada
  • Claudio Coelho
  • Dalvan Cunha
  • Daniel Barbi Lemos
  • Daniel de Paola
  • DanielLauro
  • Dário Batista Moreno Neto
  • Diego Rebello
  • Diésley Silva Valadares
  • Eduardo Henrique dos Santos Rios
  • Eduardo Lopes
  • Eduardo Ribeiro Costa
  • Elmer Mesquita
  • Emerson Magrão
  • Evandro Bruns
  • Fábio Gonçalves
  • Fábio Vasconcelos
  • Fabio Z.C.
  • Fernando Alves
  • Fernando Eder Gomes
  • Flávio Campos
  • FЯΞD
  • Geraldo Theodoro Tristão
  • Giuliano C. da Costa
  • Guilherme
  • Guilherme Guedes Domingues
  • Guilherme Hagel
  • Guilherme Pinzegher
  • Guilherme Scardua
  • Gustavo da Silva Lima
  • Helio Sumita
  • Henrique Fascini
  • Henrique Félix
  • Iann Beneteli
  • Isnardo Ramalho Villarroel
  • Jaide Murilo Ferreira da Silva
  • Jean Modesto
  • João Gurgel
  • Jonas Jacques
  • Jorge Reis Fleming
  • José Gonçalves de Oliveira Júnior
  • José Oniram
  • Juliano Valadares
  • Julio Henrique
  • Krishnamurti Reis
  • Lennon Muniz
  • Leonardo Lence Barbosa
  • Leonardo Montenegro Falcão
  • lgoldfeld
  • Lucas Cimino
  • Lucas Crepaldi
  • Lucas Giorgetti de Andrade
  • Luiz Fernando Fajardo de Andrade Lima
  • Luiz Mariani
  • Mackley Magalhães da Silva
  • Maicon F. Santos
  • Marcelo Dumke
  • Marcelo Honda
  • Marcelo Rossi
  • Marcio da Costa de Biaso
  • Marcio Castro Mendes
  • Marco Gomes
  • Mark Bierast
  • Mauricio da Silva Oliveira Junior
  • Max Malta
  • Miguel Dias Teodoro Junior
  • Miguel Dornaes
  • Nilson Sales dos Santos
  • Nuremberg Menezes
  • OM
  • P. S. de Castro Botelho
  • Pat Junqueira
  • Paulo Victor T Lacerda
  • Pedro Henrique
  • Pedro Jr
  • Priscilla Mansur
  • Rafael Calunga
  • Rafael Lustosa Matos
  • Rafael Nogueira
  • Rafael Tadeu De Carvalho
  • Rafael Zacharias
  • Raphael
  • Renato Mota
  • Renato Navarro
  • René Lacerda
  • Ricardo Lemos
  • Roberto Jundi Furutani
  • Robson Azevedo Rung
  • Rodrigo Alonso
  • Rodrigo Oliveira Prado
  • Rodrigo Reis
  • Rodrigo Rezende
  • Rodrigo Rodrigues
  • Rodrigo Rodrigues
  • Rogerio Buzelli
  • Saymon Castro de Souza
  • Sergio Schiavon
  • Tarito Chan
  • Thiago Moreira
  • Thiago Sousa
  • Tiago Peruchin
  • Victor Milani
  • Victor Moreno
  • Victor Oliveira
  • Vinicius Carvalho Machado
  • Vinicius Emer Kern
  • Vinicius Marzo Almeida da Silva
  • Vinicius Patrinhani
  • Vitor Gustavo Costa
  • Vitor Valério Maffili
  • Wagner Roth
  • Weliton Rodrigues
  • Wellington Santos
  • Ygor Rangel e Silva

Muito obrigado, galera! 😀

Mágico Simon Pierro faz truques no seu iPad Pro com o personagem Olaf (de “Frozen”)

Simon Pierro é figurinha carimbada aqui no MacMagazine. Isso porque muitos truques do mágico são feitos com a ajuda de iPads — certa vez, até mesmo de um Apple Watch!

Nessa época natalina, o ilusionista está de volta — agora aprontando com um personagem para lá de amado entre os fãs de “Frozen”.

Eu até poderia tentar descrever o que ele faz com Olaf no seu iPad Pro, mas… bem, é melhor você dar play no vídeo acima e conferir por conta própria!

Segundo o Cult of Mac, os truques são fruto do pedido de um menino de 10 anos, que escreveu uma carta para Pierro perguntando se ele poderia fazer algumas mágicas natalinas no YouTube.

O que acharam? ☃️🎄


Capa do filme Frozen: Uma Aventura Congelante

Frozen: Uma Aventura Congelante

de Walt Disney Animation Studios

Classificação: livre
Gênero: infantil e família
Lançamento: 2014
Diretor: Chris Buck


iPads Pro de 11″ e 12,9″

de Apple

Preço à vista: a partir de R$ 6.119,10
Preço parcelado: em até 12x de R$ 566,58
Cores: cinza espacial ou prateado
Capacidades: 64 GB, 256 GB, 512 GB ou 1 TB
Lançamento: outubro de 2018

Botão - Comprar agora

Em expansão lenta, Apple Watch com conectividade celular chega à Nova Zelândia

https://www.businessinsider.com/what-is-apple-watch-studio

” data-medium-file=”https://zazo.com.br/wp-content/uploads/2019/12/20-Apple-Watches-600×450-1.jpg” data-large-file=”https://macmagazine.uol.com.br/wp-content/uploads/2019/09/20-Apple-Watches-1260×945.jpg”>

O Apple Watch com conectividade celular chegou relativamente rápido ao Brasil — cerca de oito meses após o lançamento do Apple Watch Series 3, que foi o primeiro a trazer o recurso. Talvez por isso, tenha passado despercebido por nós um fato um tanto quanto incômodo (para a Apple): a expansão do reloginho com LTE está sendo muito, muito lenta.

O mais recente país a ser agraciado com a chegada do Apple Watch com conectividade celular foi a Nova Zelândia. Os modelos mais caros do reloginho desembarcaram por lá ontem (13/12), numa parceria da Apple com a operadora local Spark — que é a primeira do país a oferecer suporte ao eSIM e a planos especiais para dispositivos vestíveis.

No país da Oceania, apenas o Apple Watch Series 5 pode ser adquirido com conectividade celular, e a Spark cobra NZ$13 (~R$36) mensais para que os clientes conectem o relógio aos seus planos; por esse valor, eles podem fazer ligações, enviar mensagens, transmitir músicas e usar aplicativos de forma ilimitada, além de acessarem serviços de emergência internacionalmente.

Lentidão

Antes da Nova Zelândia, os últimos países a receberem o Apple Watch com conectividade celular tinham sido a Áustria e a Finlândia, em junho passado; dias depois, o relógio chegou a Israel. Depois disso, mais nada até as novidades de hoje — ou seja, foram mais de seis meses sem expansões.

Hoje, o Apple Watch com conectividade celular está disponível nos seguintes países:

  • Alemanha
  • Austrália
  • Áustria
  • Bahrein
  • Brasil
  • Canadá
  • China
  • Colômbia
  • Coreia do Sul
  • Dinamarca
  • Emirados Árabes Unidos
  • Espanha
  • Estados Unidos
  • Finlândia
  • França
  • Hong Kong
  • Índia
  • Israel
  • Itália
  • Japão
  • Kuwait
  • Malásia
  • México
  • Noruega
  • Nova Zelândia
  • Polônia
  • Porto Rico
  • Qatar
  • Reino Unido
  • Singapura
  • Suécia
  • Suíça
  • Tailândia

Contaram? São, no total, 33 territórios — incluindo, admitidamente, todos os principais mercados da Apple, mas deixando de fora boa parte do mundo e vários países importantes, como Portugal.

É claro que a questão aqui não depende só da Apple, e sim de vários fatores externos — desde agências reguladoras até a disposição das operadoras locais em oferecer suporte ao eSIM. De qualquer forma, caso a Maçã queira de fato popularizar o seu reloginho com conectividade celular, talvez seja uma boa ideia colocar mais ênfase na expansão dele.

via MacRumors | foto: Robert Galbraith/Reuters