COVID-19: lojas da Apple aceitarão devoluções de produtos até duas semanas após reabertura

E como era de se esperar, o Coronavírus (COVID-19) continua causando impactos profundos em todos os aspectos da vida no mundo — incluindo, claro, as operações da Apple ao redor do planeta.

Por isso, vamos a mais um giro das notícias recentes da Maçã pertinentes à pandemia.

Prazo de devoluções expandido

Como bem se sabe (ou… talvez não), a Apple tem uma política global de devoluções bem definida para clientes que compram produtos nas suas lojas (físicas ou online): você tem até 14 dias corridos para devolver um item que não lhe satisfez. Essa página dá mais detalhes.

Entretanto, com o fechamento temporário de todas as lojas da Maçã ao redor do mundo (exceto na China), surgiu uma dúvida: e se esse prazo de 14 dias se esgotar enquanto o varejo da empresa estiver suspenso? Bom, não há com o que se preocupar: de acordo com uma página de perguntas frequentes (indisponível em português) da empresa, as lojas aceitarão devoluções por até 14 dias após a reabertura.

Há algumas exceções, como iPhones comprados sob contrato de operadoras em determinados países; no geral, entretanto, você não deverá ter problemas para devolver seu produto quando as lojas voltarem a funcionar. Vale lembrar que, até o momento, a previsão é de que elas reabram as portas no dia 27 de março — essa determinação poderá ser expandida, entretanto, de acordo com os eventos das próximas semanas.

Dispositivos em reparo

Na mesma página de perguntas frequentes, a Apple fala sobre produtos que estão, atualmente, em reparo em alguma das suas lojas. A empresa nota que se o seu dispositivo estiver pronto para ser devolvido ou aguardando peças, um funcionário entrará em contato com você para fornecer mais detalhes.

Caso seu dispositivo já esteja pronto, você pode — ou poderia — pegá-lo de volta nos dias 15/3 e 16/3 (mais conhecidos como ontem e hoje) entre 12h e 17h. Caso você tenha perdido essa janela, será necessário entrar em contato com a Apple para verificar suas possibilidades.

Pagamentos a assistências autorizadas

Falando em reparos, a Apple está se movimentando para garantir que sua rede de assistências técnicas autorizadas continue funcionando sem grandes impactos durante a pandemia do novo Coronavírus.

Reparo/assistência técnica de iPhone

De acordo com um documento interno obtido pelo MacRumors, a Maçã fará pagamentos máximos aos seus Centros de Serviço Autorizados ao longo dos meses de março e abril. Em outras palavras, todos os consertos feitos por esses estabelecimentos receberão o pagamento máximo da tabela de reparos da empresa — a Apple costuma flutuar essa quantia de acordo com o índice de produtividade e satisfação do estabelecimento.

A ideia, com isso, é permitir que as assistências autorizadas continuem, na medida do possível, funcionando conforme os efeitos da pandemia vão se alastrando — o que é especialmente importante considerando que as lojas da própria Apple, que também são centros de reparo, estarão fechadas ao menos por mais duas semanas.

No documento distribuído às parceiras, a Apple não sugere qualquer tipo de procedimento, como fechamento temporário dos negócios; em vez disso, a empresa afirma que “confia nas decisões” das assistências e as encoraja a adotar todas as medidas necessárias para garantir a segurança dos seus empregados e clientes.

Apple Card sem taxas

Em uma outra movimentação interessante, a Maçã — junto ao banco Goldman Sachs — resolveu conceder um respiro aos usuários do Apple Card (que continua restrito aos Estados Unidos). Considerando os efeitos do Coronavírus na economia global (e nos bolsos de cada um), usuários do cartão de crédito da Apple poderão adiar o pagamento da fatura de março sem taxas.

Parcelamento de iPhone pelo Apple Card

Donos do Apple Card receberam o seguinte email informando sobre a vantagem:

Estamos aqui para ajudar.

Nós sabemos que a situação do COVID-19 evolui rapidamente e, com isso, cria desafios únicos para cada um; com isso, alguns usuários poderão ter dificuldades para realizar seus pagamentos mensais. O Apple Card tem o compromisso de lhe ajudar a conquistar uma vida financeira mais saudável.

Caso você precise de assistência, por favor toque aqui para se conectar ao Suporte do Apple Card via iMessage e entrar no nosso Programa de Assistência ao Cliente, que permitirá adiar seu pagamento de março sem taxas ou juros.

Ainda não se sabe se a vantagem será expandida para os próximos meses — caso os efeitos da pandemia continuem sérios, certamente veremos a Apple e o Goldman Sachs repetirem os emails em abril. Tomara.

Gravações de “Suspicion” suspensas

Enquanto isso, mais uma série do Apple TV+ teve suas gravações suspensas: “Suspicion”, a nova produção estrelando Uma Thurman (“Kill Bill”) — cuja existência foi anunciada há menos de uma semana. As informações são da Variety.

Uma Thurman

A decisão de suspender a produção veio da Keshet Productions, produtora israelense que detém os direitos de “Suspicion”; com isso, efetivamente todas as produções originais da Maçã estão com gravações pausadas até segunda ordem. Ainda não há informações de quando as filmagens serão retomadas ou se a suspensão afetará as datas de estreia previstas das novas séries/temporadas.

Mais um empregado com COVID-19

Por fim, como informou a Billboard, mais um funcionário da Maçã foi testado positivo para o COVID-19. Desta vez, trata-se de um empregado do campus de Culver City (Califórnia), onde concentram-se as equipes do Apple TV+ e do Apple Music.

Até o momento, o campus de Culver City permanece aberto; os empregados do local foram notificados sobre o caso e — assim como todo o restante da força de trabalho da Maçã — receberam a recomendação de ficar em casa caso haja qualquer sintoma relacionado à infecção.

Vamos acompanhar o caso, claro, para notificar sobre possíveis novas infecções dentro da Apple.

via 9to5Mac, iMore, iClarified

Recommended Posts