EUA vetam turistas devido a mensagens e amizades em redes sociais

As publicações feitas por amigos em redes sociais e as mensagens recebidas no WhatsApp podem servir de justificativa para autoridades impedirem pessoas de entrarem nos Estados Unidos. É o que ocorreu com dois homens que tiveram seus vistos cancelados após seus celulares serem analisados por policiais.

O caso mais recente aconteceu na terça-feira (27) e envolve um estudante palestino de 17 anos que mora no Líbano. Ele desembarcou no Aeroporto Internacional de Boston com um visto estudantil para iniciar seus estudos na Universidade de Harvard.

No entanto, o documento foi cancelado no Serviço de Alfândegas e Proteção de Fronteiras dos EUA. Os oficiais tomaram a decisão após analisarem o smartphone do estudante e supostamente encontrarem problemas em publicações de amigos nas redes sociais.

O jovem afirmou que “não deveria ser responsabilizado” pelo que outros publicam, mas seu apelo não foi levado em consideração. Com o visto cancelado, o jovem foi deportado ao Líbano um dia antes de suas aulas começarem.

Turista foi deportado por conta de mensagens recebidas

Infelizmente, situações como essas não são novas. Há nove meses, um homem paquistanês com visto temporário para visitar os EUA foi deportado após oficiais da Alfândega analisarem seu smartphone e seu notebook.

Ele havia desembarcado no Aeroporto Intercontinental George Bush, em Houston, mas uma imagem recebida no WhatsApp em setembro de 2018 o impediu de sair do local. A foto mostrava uma criança assassinada e mutilada.

WhatsApp / Facebook / Pixabay

O turista afirmou que um conhecido enviou a imagem em um grupo para alertar os pais sobre casos de sequestros de crianças em sua cidade-natal. O material foi usado pelos oficiais para cancelar o visto do homem, que relatou ter permanecido 15 horas no aeroporto até receber uma resposta.

Ele tentou explicar que a imagem poderia ser facilmente encontrada na internet, mas não foi autorizado a entrar nos EUA com a justificativa de que o material era de sua responsabilidade. “Encontramos isso no seu celular”, disse um policiais, que chegou a questionar se ele tinha relação com tráfico de órgãos.

O homem buscou mais informações sobre o caso na embaixada dos EUA em Karachi, no Paquistão, mas não teve sucesso. Com isso, ele decidiu pagar centenas de dólares para receber seus registros por meio da lei americana de acesso à informação.

Os documentos apontam que o turista não recebeu autorização para entrar no país devido a “imagens depreciativas encontradas em seu celular” e por ter afirmado que pretendia trabalhar no país, o que foi negado pelo próprio.

A Alfândega cancelou o visto apesar de ter admitido que o homem negou ter tirado a foto e que não acreditava que o remetente era seu autor. Ainda assim, ele está proibido de retornar aos EUA nos próximos cinco anos.

Com informações: TechCrunch.

EUA vetam turistas devido a mensagens e amizades em redes sociais

Recommended Posts