Fitbit bate Apple e adiciona medição de oxigênio no sangue a seus dispositivos nos EUA

A Fitbit andava meio mal das pernas, mas desde a sua aquisição por parte do Google, tem mostrado ânimo revigorado para bater de frente com as outras gigantes do mercado de vestíveis, como a Apple e a Xiaomi. Pois hoje a fabricante anunciou uma novidade deveras interessante: um recurso que estima a saturação dos níveis de oxigênio no sangue (SPO2) do usuário.

A medição do nível de oxigênio no sangue, ainda que em caráter estimativo (como é o caso, aqui), é uma boa forma de detectar possíveis problemas ou doenças respiratórias, como a apneia do sono. Trata-se de uma taxa que apresenta variação natural ao longo do dia/noite, mas caso essas variações sejam maiores do que o comum com certa frequência, é uma boa ideia procurar um médico para ter uma avaliação completa.

Vale notar que a novidade não é exclusiva de nenhum dispositivo novo (até porque a Fitbit não fez nenhum anúncio recente de hardware); ela está chegando, via software, a vários dos aparelhos já existentes da empresa, como o Ionic, o Versa e o Charge 3. Por enquanto, o recurso parece ser exclusivo nos Estados Unidos, já que ele requer aprovação por parte dos órgãos competentes (como a Anvisa, no Brasil).

Isso nos leva à Maçã: nos idos de 2015, a iFixit já tinha descoberto que o Apple Watch (em sua primeiríssima versão) era capaz de ler os níveis de oxigênio no sangue do usuário por meio do seu monitor cardíaco. Pois cá estamos nós, quase cinco anos (e cinco gerações) depois, e a Apple ainda não anunciou nenhum recurso do tipo.

À época, especulamos que a razão para tal era a dependência das aprovações dos órgãos de saúde, mas sabemos que nada demora tanto tempo assim — ora, a própria Apple lançou o eletrocardiograma (ECG) alguns anos depois, sem precisar esperar tanto tempo pela aprovação da FDA (a Anvisa americana). Ou seja, alguém em Cupertino está dormindo no ponto, e a Fitbit veio para provar isso.

Resta esperar que, quando a Apple resolva se mexer, ela libere a monitoração do oxigênio no sangue para todos os usuários do Apple Watch, e não como recurso exclusivo de um possível “Series 6”. Será otimismo demais?

via iMore

Recommended Posts