iOS 14: Apple estaria criando opção de usar apps sem precisar baixá-los por completo

E as descobertas do 9to5Mac relacionadas ao iOS 14 — o site conseguiu colocar as mãos em uma compilação do futuro sistema operacional e vem destrinchando diversas novidades dele nas últimas semanas — não param de surgir. Desta vez, temos algo relacionado à distribuição e utilização de apps no SO.

As novas informações dão conta de que a Apple estaria trabalhando em uma maneira de oferecer a possibilidade de usarmos partes específicas de apps sem precisar instalá-los. Caso se confirme, o recurso permitirá que usuários tenham acesso a algumas funcionalidades de apps de terceiros simplesmente digitalizando um código QR.

Atualmente, se você abre um link ou escaneia um código QR de um app que você tem instalado, esse tal app é aberto; se você não tem o app instalado, é então redirecionado ao Safari. E é exatamente isso que poderá mudar graças a uma nova API1 chamada internamente de “Clips” (“Clipes”).

O recurso em si não é uma grande novidade no mundo mobile. Em 2018, o Google já havia feito algo parecido no Android com um recurso chamado Slices.

Mas vamos voltar ao recurso do iOS: por essa API, desenvolvedores poderão oferecer conteúdos interativos e dinâmicos dos seus apps, mesmo que o usuário não tenha tal aplicativo instalado. Pelo menos na análise feita pelo 9to5Mac, esse recurso estaria diretamente ligado a esse leitor de código QR — só assim o usuário poderia digitalizar o código vinculado ao aplicativo para interagir com ele.

Ficou difícil de entender? Aqui vai um exemplo de como isso poderia funcionar:

Digamos que você obtenha um código QR com um link para um vídeo do YouTube, mas você não tem o aplicativo oficial instalado no seu iPhone. Com o iOS 14 e a API “Clips”, você poderá digitalizar esse código e o vídeo será reproduzido em um cartão flutuante que mostra uma interface de usuário nativa em vez de uma página da web.

Ainda segundo o site, desenvolvedores terão que especificar qual parte do app deverá ser baixada pelo iOS como um pacote OTA (over-the-air). O tal cartão flutuante com o pedaço do app contará com uma opção para o usuário baixar a versão completa do aplicativo na App Store ou abrir esse conteúdo com o aplicativo, caso tenha ele o instalado no iPhone/iPad.

A Apple já estaria testando essa API em alguns apps como OpenTable, Yelp, DoorDash, PS4 Second Screen e, é claro, YouTube — quem sabe usando esses apps como exemplos a serem seguidos na keynote de abertura da WWDC 2020, que acontecerá em junho.

Recommended Posts