Rússia testa com sucesso a RuNet, uma “internet própria”

Enquanto pessoas no mundo todo se preparavam para as celebrações de Natal, autoridades da Rússia tinham outras preocupações: no início da semana, o governo russo executou, com sucesso, um teste que desconectou o país da internet. O objetivo é abrir caminho para a RuNet, uma espécie de “internet própria”.

Na verdade, os testes começaram na semana passada. A desconexão do país, realizada na segunda-feira (23), foi apenas uma das etapas. Esse procedimento consistiu, basicamente, em fazer a infraestrutura de internet da Rússia funcionar sem sistemas globais de DNS.

Os detalhes técnicos não foram divulgados pelo governo da Rússia, mas o teste serviu para mostrar que as operadoras de telecomunicações do país já têm condições de trabalhar em conjunto com agências governamentais para evitar que o tráfego online local passe por roteamentos internacionais.

Na prática, é como se a Rússia tivesse uma internet só dela — a já mencionada RuNet. Quando em operação, esse sistema poderá limitar o tráfego à infraestrutura local de telecomunicações, evitando que informações saiam ou entrem no país.

O projeto não é uma ideia recente. Há alguns anos que o governo russo vem trabalhando em uma forma de “isolar” o país digitalmente. Para tanto, o governo teve que atuar em duas frentes principais: na modificação da infraestrutura de telecomunicações e na criação de uma lei que permite esse tipo de controle.

Tudo gira em torno do argumento da segurança nacional. Graças ao que se conhece como lei da soberania da internet, o governo pode “desconectar” a Rússia do resto do mundo e limitar as conexões à rede interna sob o pretexto de preservar a segurança ou os interesses do país.

Não por acaso, os testes avaliaram não somente aspectos funcionais, como também o comportamento da RuNet no combate a “influências externas negativas”.

Foto por Mariano Mantel/Flickr

Além de permitir que a comunicação externa ocorra apenas a partir de pontos específicos da infraestrutura local, o projeto contempla a criação ou promoção de serviços online russos, como alternativas para plataformas como Wikipedia, Google e Facebook.

É claro que o assunto já vem gerando alguma preocupação. Para Alan Woodward, cientista da computação da Universidade de Surrey, esse é um sinal de que a Rússia, a exemplo de outros países, tem se espelhado no controle autoritário do acesso à internet colocado em prática por Irã e China.

Ainda não há informação sobre quanto e se a RuNet entrará mesmo em operação. Antes disso, os resultados dos testes terão que ser apresentados formalmente ao presidente Vladimir Putin, o que deve acontecer já em 2020.

Com informações: BBC, ZDNet.

Rússia testa com sucesso a RuNet, uma “internet própria”

Recommended Posts