Apple nega que estaria priorizando seus próprios apps na busca da App Store

Imagem oficial, modificada: https://www.apple.com/ios/app-store/

” data-medium-file=”https://zazo.com.br/wp-content/uploads/2019/07/14-app-store-600×311.png” data-large-file=”https://macmagazine.uol.com.br/wp-content/uploads/2019/02/14-app-store-1260×654.png”>

A busca da App Store é um assunto que gera polêmica desde sempre. Não é para menos: quando estamos falando de um negócio de US$46,6 bilhões, qualquer pequena nuance ou tendência na forma que a Apple classifica os aplicativos é capaz de causar o sucesso ou a derrocada de alguém.

A polêmica mais recente vem do Wall Street Journal1. O jornalista Tripp Mickle fez uma pesquisa analisando os resultados de buscas populares da App Store e chegou à conclusão de que, na maior parte das vezes, a Apple prioriza seus próprios aplicativos em detrimento das opções da concorrência em buscas por categorias comuns. A Maçã, por sua vez, negou que realize práticas do tipo.

Na pesquisa do WSJ, os aplicativos da Maçã apareceram em primeiro lugar das buscas em mais de 60% dos casos, como ao buscar por termos como “mapas”. Quando as buscas eram relacionadas a aplicativos que geram renda direta para a Maçã, como “música” ou “livros”, os apps da empresa apareceram primeiro em 95% dos casos. Os testes foram realizados em múltiplos dispositivos atrelados a múltiplas contas, e os resultados sempre foram consistentes.

O WSJ questionou a Apple sobre os resultados antes da publicação da reportagem, e a empresa respondeu dias depois afirmando que fez uma pesquisa similar obtendo resultados diferentes — a Maçã não compartilhou números, mas afirmou que suas buscas em vários casos mostraram apps da concorrência em primeiro lugar.

A Apple afirmou ainda que seus apps aparecem em primeiro lugar com alguma frequência porque são populares com os consumidores — mesma razão para que aplicativos da Uber ou da Microsoft apareçam no topo constantemente. A empresa também compartilhou algumas informações sobre o algoritmo que calcula o posicionamento dos apps nas buscas da loja:

A Apple diz que usa 42 fatores para determinar onde os apps se posicionam na busca, mas mantém a fórmula secreta para manter o jogo nivelado entre os desenvolvedores e evitar a manipulação de resultados. Os quatro fatores mais influentes na fórmula são número de downloads, avaliações, relevância e “comportamento dos usuários”, de acordo com a empresa. O comportamento dos usuários, que segundo a Apple é o fator mais importante, inclui a quantidade de vezes que os usuários selecionam um app numa busca e os baixam, segundo um porta-voz.

Como ficam os resultados por aí? Será que os achados do WSJ têm fundamento? Deixem suas opiniões logo abaixo.

via Cult of Mac

MacBook Pro de 16″ poderá chegar em outubro custando cerca de US$3.000

2019 é, realmente, o ano do MacBook Pro. Já tivemos, há alguns meses, a primeira atualização da linha, que trouxe novos processadores aos seus modelos mais caros. Tempos depois, há duas semanas, a Apple atualizou também os modelos de entrada da linha, também com novos chips e com a adição da Touch Bar. Acham que é o bastante? Se estes novos rumores estiverem corretos, esse é apenas o início da história.

Segundo o jornal taiwanês Economic Daily News, que citou fontes de dentro da cadeia de fornecimento da Apple, a Maçã lançará em outubro próximo o especuladíssimo MacBook Pro de 16 polegadas por um preço não muito amigável: aparentemente, a máquina partirá de algo em torno de US$3.000.

O preço, aliado a especificações internas bem parrudas, ajudaria a posicionar esse novo modelo como uma opção “intermediária” entre as máquinas mais parrudas da Apple — talvez como algo entre o iMac e o iMac Pro para usuários que queiram a portabilidade de um MacBook sem perder potência. Essas especificações internas, entretanto, permanecem um mistério: a única informação corroborada pela fonte refere-se à tela, que aparentemente será de LCD, mesmo (nada de OLED ainda), com resolução de 3072×1920 pixels.

Novos MacBooks Pro e Air

E não é só isso: de acordo com a reportagem, em outubro a Apple não só apresentará o novo MBP de 16″, mas também novas atualizações para os MacBooks Pro de 13″ e para o MacBook Air — sim, mesmo tendo atualizado essas linhas há poucos meses.

MacBook Air

Não há mais informações sobre que tipo de novidades essas atualizações trariam, mas podemos especular algumas possibilidades: a atualização recente dos MacBooks Air deu apenas uma tela True Tone aos computadores, então um novo update poderia trazer processadores atualizados e, quem sabe, um novo recurso aqui e ali. Um novo Touch ID, talvez?

Quanto ao MacBook Pro de 13″, já temos processadores Intel de última geração, então uma atualização de chip estaria descartada. Uma boa novidade que poderia ser apresentada pela Apple seria a possibilidade de equipar as máquinas com até 32GB de RAM (atualmente, elas só vão até 16GB), mas isso certamente seria algo mudado silenciosamente, e descoberto apenas na página de personalização dos computadores.

Outra possibilidade seria converter todos os computadores (incluindo o novo MacBook Pro de 16″) para o rumorejado “novo-velho” teclado, com mecanismo tesoura, que representaria o sonho dourado para o fim dos problemas do design atual. Isso, entretanto, é apenas especulação minha.

Ninguém sabe se os rumores de fato concretizar-se-ão, mas o fato é que registros recentes estão do lado deles: como sabemos, a Apple homologou recentemente na Eurásia sete novos modelos de MacBooks. Alguns deles já foram apresentados, mas outros podem ainda estar na manga da Maçã — e, para descobrirmos o que sairá disso tudo, teremos de aguardar mais alguns meses.

via 9to5Mac

Promoções do dia na App Store: Digitalizador de Fotos Plus, Touch Notation, Mouse Hider e mais!

Confira a nossa seleção de promoções nas App Stores para esta terça-feira!


Ícone do app Digitalizador de Fotos Plus

Digitalizador de Fotos Plus

de Photomyne LTD

Compatível com iPadsCompatível com iPhones
Versão 16.2 (77.6 MB)
Requer o iOS 10.0 ou superior

R$ 3,90 R$ 18.90

Badge - Baixar na App Store

Código QR Código QR

Screenshot do app Digitalizador de Fotos PlusScreenshot do app Digitalizador de Fotos PlusScreenshot do app Digitalizador de Fotos PlusScreenshot do app Digitalizador de Fotos PlusScreenshot do app Digitalizador de Fotos Plus

Nota na App Store

Minha nota

Digitalize seus álbuns de fotos com um dos melhores aplicativos para esse fim. Conheça o Foto Scanner Digitalizador de Fotos Plus, da Photomyne — nosso destaque do dia!

Digitalize múltiplas fotos de uma só vez. Adicione informações de localização, datas e nomes; escolha filtros, faça pequenas correções e transforme todo o seu acervo físico em digital.

Confira um vídeo promocional:

Que tal? Aproveite a oferta! 😉

·   •   ·

Abaixo outros aplicativos/jogos que, juntos, somam R$37 de desconto:

Apps para iOS


Ícone do app Touch Notation

Touch Notation

de Kawai Musical Instruments Manufacturing Co., Ltd.

Compatível com iPadsCompatível com iPhones
Versão 1.1.002 (122.1 MB)
Requer o iOS 8.0 ou superior

R$ 29,90 R$ 44.90

Badge - Baixar na App Store

Código QR Código QR

Utilitário musical.


Ícone do app InsPanorama

InsPanorama

de wang wensi

Compatível com iPhones
Versão 3.3.5 (18.7 MB)
Requer o iOS 8.0 ou superior

R$ 10,90 R$ 14.90

Badge - Baixar na App Store

Código QR Código QR

Fotos panorâmicas no Instagram.


Ícone do app Star Gunner AR

Star Gunner AR

de Dorrin Technology LLC

Compatível com iPhones
Versão 2.0.0 (76.5 MB)
Requer o iOS 12.0 ou superior

R$ 7,90 R$ 10.90

Badge - Baixar na App Store

Código QR Código QR

Batalha espacial com realidade aumentada.


Ícone do app Magic Launcher Pro

Magic Launcher Pro

de Roxwin Vietnam Technologies Company Limited

Compatível com iPadsCompatível com iPhones
Versão 5.3.3 (139.8 MB)
Requer o iOS 9.0 ou superior

R$ 3,90 R$ 10.90

Badge - Baixar na App Store

Código QR Código QR

Utilitário de produtividade.

Apps para macOS


Ícone do app Mouse Hider

Mouse Hider

de SopoNext

Compatível com Macs
Versão 3.5 (555.6 KB)
Requer o macOS 10.6 ou superior

R$ 3,90 R$ 7.90

Badge - Baixar na Mac App Store

Código QR Código QR

Esconda seu mouse.


Ícone do app Infinity Monitor

Infinity Monitor

de SopoNext

Compatível com Macs
Versão 4.1 (486 KB)
Requer o macOS 10.6 ou superior

R$ 3,90 R$ 7.90

Badge - Baixar na Mac App Store

Código QR Código QR

Mais ferramentas para mais de um monitor ou para quem tem Síndrome do Túnel do Carpo.

·   •   ·

Aproveitem as ofertas e até amanhã! Ah, lembrando que elas são sempre por tempo limitado, então é bom correr! 😁

Twelve South lança hub com cabo de viagem para MacBooks Air/Pro

Imagem: https://www.twelvesouth.com/products/staygo-usb-c-hub

” data-medium-file=”https://zazo.com.br/wp-content/uploads/2019/07/23-StayGo_conexoes-600×375.jpg” data-large-file=”https://macmagazine.uol.com.br/wp-content/uploads/2019/07/23-StayGo_conexoes-1260×788.jpg”>

A Twelve South é uma fabricante de acessórios e periféricos para Macs, iPhones e iPads conhecida pela versatilidade de seus produtos, que vão desde as capas BookBook e estojos para AirPods até os populares hubs de conexão, como o StayGo — novo dock USB-C para MacBooks Air/Pro.

Por meio de uma porta USB-C, o StayGo se conecta a qualquer notebook da Apple vendido atualmente e expande a conectividade da máquina para diversos dispositivos como monitores e drives externos enquanto recarrega o seu MacBook.

O StayGo vem com um cabo de 1 metro e, ainda, um cabinho de viagem que pode ser armazenado dentro do hub para você se locomover (como o próprio nome sugere) sem a preocupação de ter que levar um cabo extra a colo. Vale ressaltar que esse espaço serve apenas para o armazenamento do cabo — ele deve ser totalmente removido e conectado à porta do StayGo.

disponível na loja online da Twelve South por US$100 (mais custos de envio para o Brasil, bem como possíveis impostos), o StayGo pode até ser uma opção mais cara do que a maioria dos hubs à venda na Amazon, por exemplo; contudo, em termos de contabilidade, especificações, opções de portas e material, ele certamente já é considerado uma das melhores alternativas.

via TechCrunch

Jogo Pokémon Rumble Rush aterrissa na App Store

Há pouco mais de dois meses, a Pokémon Company informou que seu mais novo título estava prestes a debutar oficialmente — o que aconteceu mesmo só no Google Play, deixando os usuários do iOS de molho nesse período. Agora, finalmente, a espera acabou: Pokémon Rumble Rush está disponível na App Store!

Esse é o título mais recente da série Rumble, e o primeiro a ser lançado para dispositivos móveis. Basicamente, ele permite que você assuma o controle de seus Pokémons favoritos enquanto eles batalham contra os seus rivais em várias ilhas diferentes.

Ademais, as aventuras mudam a cada duas semanas para que você sempre batalhe e encontre Pokémons novos — você vai precisar deles para derrotar os “Super Chefes” em cada fase.

Como comentamos, o game conta com compras internas (que vão de R$4 a R$95). Bom divertimento! 🙂


Ícone do app Pokémon Rumble Rush

Pokémon Rumble Rush

de The Pokemon Company

Compatível com iPadsCompatível com iPhones
Versão 1.2.0 (123.9 MB)
Requer o iOS 9.0 ou superior

Grátis

Badge - Baixar na App Store

Código QR Código QR

Screenshot do app Pokémon Rumble RushScreenshot do app Pokémon Rumble RushScreenshot do app Pokémon Rumble RushScreenshot do app Pokémon Rumble RushScreenshot do app Pokémon Rumble RushScreenshot do app Pokémon Rumble Rush

Apple poderá anunciar compra da divisão de modems da Intel já na próxima semana

Já falamos aqui sobre a possibilidade de a Apple abrir a carteira e comprar a divisão de modems para dispositivos móveis da Intel, abrindo espaço para que a Maçã produza chips 5G próprios e se distancie da dependência da Qualcomm. As conversas entre as duas empresas estavam num chove-não-molha intenso até recentemente, mas agora parecem ter esquentado de vez.

De acordo com uma reportagem do Wall Street Journal1, que cita pessoas familiares aos planos da Apple, a compra da divisão de modems da Intel já está em conversas avançadas e, nesse ritmo, poderá ser anunciada já na próxima semana — a não ser que seja encontrado um obstáculo muito forte até lá, isto é.

A matéria não especifica valores para o negócio, mas cita que a Maçã poderia desembolsar mais de US$1 bilhão para comprar a parte da Intel, que inclui pessoal, patentes e tecnologias. As duas empresas já mantêm essas conversas há cerca de um ano, mas os planos tinham sido postos em segundo plano quando a Apple e a Qualcomm resolveram suas diferenças nos tribunais ao redor do mundo. Agora, algo fez com que Tim Cook e sua turma se reanimassem em ter uma divisão de modems para chamar de sua.

A Intel já tinha anunciado, desde que Apple e Qualcomm fizeram as pazes, que sairia do mercado de modems 5G, colocando a divisão à venda para o comprador mais interessado. A Maçã, por sua vez, já tem uma equipe trabalhando nos chips internamente, mas a expertise da Intel poderá dar uma boa ajudinha neste processo.

Os rumores atuais dão conta de que os iPhones de 2020 virão com conectividade 5G, e o modem desses aparelhos certamente será da Qualcomm — assim como de alguns dos seus sucessores. A empreitada da Apple no segmento ainda é um plano de longo prazo, então, com Intel ou sem Intel, ainda precisaremos aguardar uns bons anos para vermos smartphones e tablets equipados com modems 5G da própria Maçã.

via 9to5Mac

Apple contrata engenheiro da Tesla especialista em design de interiores; publicitário e profissionais de saúde saem

Mais uma semana, mais uma série de encontros e despedidas na Apple — e, mais uma vez, relacionados a algumas das áreas que têm fervilhado em Cupertino, como o desenvolvimento automotivo e a saúde. Vamos dar uma olhada nelas.

Steve MacManus

A chegada do dia — como noticiou o MacRumors — é de Steve MacManus, engenheiro automotivo que estava até recentemente na Tesla e já passou também pela Jaguar/Land Rover, pela Bentley e pela Aston Martin — sim, um currículo invejável.

Steve MacManus
Steve MacManus (à esquerda)

Não há mais informações sobre o cargo que MacManus desempenhará na Apple (sua página no LinkedIn afirma apenas que ele é um “diretor sênior” na empresa), mas seu histórico dá algumas pistas: o engenheiro é especialista em design de interiores automotivos, o que pode significar uma volta do interesse da Apple na construção de um veículo próprio.

Obviamente, essa não é a única opção: MacManus pode trazer sua expertise no interior de carros para ajudar a criar um sistema autônomo que se integre melhor às particularidades internas de cada veículo. Ele pode, também, desempenhar um papel numa área totalmente distinta. Os panos sobre o “Projeto Titan” ainda são muito espessos, e nós ainda teremos de aguardar alguns anos para ouvir alguma palavra oficial sobre ele. Bom, pelo menos as coisas estão andando.

Arnau Bosch Vergés

A principal saída da vez não é efetivamente da Apple, mas trata-se de um nome muito influente dentro da companhia: estamos falando de Arnau Bosch Vergés, diretor criativo da TBWAMedia Arts Lab (agência de publicidade parceira da Maçã) e cocriador de algumas das campanhas mais icônicas para a empresa nos tempos recentes. As informações são do The Drum.

Arnau Bosch Vergés

Bosch Vergés foi, por exemplo, um dos nomes por trás do multi-premiado comercial do HomePod “Welcome Home, dirigido por Spike Jonze e estrelado por FKA Twigs. Ele chegou à TBWAMedia Arts Lab em 2015, conquistando o cargo atual em 2018, e agora está deixando a agência para trabalhar na SoundStorming, uma startup focada numa plataforma de mídia social para músicos.

Com a chegada de Nick Law, é provável que a Maçã não tenha grandes problemas em relação à sua liderança de publicidade. Ainda assim, a perda de uma grande mente criativa é sempre sentida, e veremos nos próximos meses se a comunicação da Apple sofrerá algum impacto com a saída de Vergés.

Profissionais de saúde

Por fim, mais uma saída — de fato, não uma saída, mas várias: a gigante dos seguros Anthem fez a limpa e contratou vários profissionais de saúde da Maçã, entre veteranos e contratações recentes.

De acordo com a CNBC, a Anthem está tentando dar uma nova cara aos seus produtos destinados ao consumidor final, com interfaces de usuário mais amigáveis e funcionamento mais simples; os profissionais da Apple já teriam esse conhecimento no próprio DNA, o que explicaria a onda de contratações — é a primeira vez que a Anthem contrata empregados da Maçã. Também pesa o fato de o vice-presidente do setor comercial da empresa, Aneesh Kumar, ter começado sua carreira em Cupertino, nos anos 1990.

Entre os principais nomes contratados recentemente pela Anthem, temos o pesquisador de aprendizado de máquina Stefanos Giampanis e o veterano da área de saúde Toni Trujillo Vian, que estava na Apple há 24 anos. A gigante dos seguros também contratou Ted Goldstein, que foi vice-presidente na Maçã entre 2002 e 2007, e uma série de outros profissionais de destaque.

Dentre as muitas aquisições e contratações feitas na área de saúde pela Apple nos últimos tempos, as baixas da Anthem podem representar um certo obstáculo para as ambições da empresa. Ou não – só o tempo dirá.