Apple realizará desafio do Apple Watch para empregados pelo 4º ano consecutivo

Já virou tradição: depois de realizar desafios semelhantes em 2017, 2018 e em 2019, a Apple começou a notificar hoje seus empregados sobre o desafio dos círculos do Apple Watch para 2020. A ideia, como de costume, é marcar o mês de fevereiro como uma forma de estimular seus funcionários a se manterem ativos, completando tarefas para ganhar brindes.

Neste ano, como informou o MacRumors, o prêmio será diferente: em vez de uma pulseira exclusiva para o Apple Watch, como nos anos anteriores, os participantes ganharão uma camiseta especial com “2020” escrito no estilo dos círculos do Watch, além de um broche comemorativo — que pode ser dourado (para quem completar o desafio com sucesso), prateado ou de bronze.

Camisa do desafio para empregados do Apple Watch em 2020
Imagem: WatchGeneration

A missão, por outro lado, continua sendo a mesma: fechar os três anéis de atividade do Apple Watch (sobre os quais falamos nesse artigo) durante todos os dias do mês de fevereiro.

Os funcionários da Maçã — do mundo inteiro, vale notar — já começaram a receber em seus emails os convites para participar do desafio, e precisam fazer uma breve inscrição no site da empresa. Bacana, não?


Apple Watch Series 5

Apple Watch Series 5

de Apple

Preço à vista: a partir de R$ 3.599,10
Preço parcelado: em até 12x de R$ 333,25
Tamanhos: 40mm ou 44mm
Materiais: alumínio, aço inoxidável, titânio ou cerâmica
Características: GPS ou GPS + Cellular
Cores: diversas
Lançamento: setembro de 2019

Botão - Comprar agora

Apple tem primeira vitória em processo contra ex-executivo que abriu startup de chips

No mês passado, falamos aqui sobre o processo movido pela Apple contra Gerard Williams III, ex-executivo da empresa que chefiou o desenvolvimento dos chips próprios da Maçã (do A7 até o A12X) e deixou Cupertino em abril passado para ser CEO da NUVIA, fabricante — justamente — de processadores para dispositivos móveis.

Segundo a Apple, Williams quebrou o contrato que tinha com a empresa ao abrir uma nova companhia no mesmo ramo de atuação em que trabalhava anteriormente, levando segredos (como o próprio conhecimento em chips adquirido dentro da Maçã) para sua própria empreitada. O executivo, então, tentou barrar o processo citando uma lei da Califórnia a qual permite que trabalhadores estabeleçam novos negócios enquanto trabalham em outros locais.

Pois agora, como informou a Bloomberg, a tentativa de Williams caiu por terra: a Corte Superior do Condado de Santa Clara determinou que a lei não permite que “o empregado planeje e prepare a criação de um negócio competitivo antes do encerramento do contrato se o empregado em questão fizer isso utilizando o tempo e os recursos do empregador”.

Além disso, a corte julgou improcedente a acusação de Williams de que a Apple invadiu a sua privacidade ao levar ao tribunal mensagens de texto que ele trocou com empregados criticando a empresa. O juiz Mark Pierce afirmou não haver indícios de que as mensagens foram obtidas com técnicas de invasão de privacidade, e negou que as evidências fossem retiradas da ação.

Gerard Williams III
Gerard Williams III

Ao menos em um ponto, entretanto, o juiz ficou do lado do executivo. Pierce rejeitou o pedido da Apple de pagamento de danos, já que, segundo ele, a Maçã não apresentou evidências convincentes de que Williams teve a intenção clara de prejudicar a empresa com as suas ações.

De qualquer forma, o processo está livre para seguir em frente: a Apple deverá reunir mais evidências das ações de Williams, enquanto ele trará novos argumentos de que não violou nenhuma lei com a criação da sua nova empresa. Um dos advogados do executivo já afirmou que contestará as decisões da corte, afirmando que “Williams não pode ser processado simplesmente por ter uma ideia para um novo empreendimento enquanto trabalhava na Apple, em vez de roubar invenções nas quais trabalhou e que pertenciam ao seu ex-empregador”.

Vamos, portanto, acompanhar os próximos passos dessa história.

via MacRumors

Quanto custa o reparo dos AirPods Pro no Brasil?

Os AirPods Pro estão à venda no Brasil. Eles contam com alguns diferenciais bem interessantes se comparados aos AirPods “comuns”, o que naturalmente faz seu preço ser maior. E se o preço é maior, o valor do reparo também.

Na verdade, não existe “reparo” no caso dos AirPods. Tudo o que a Apple faz é pegar seu antigo produto defeituoso e trocar por um novo, seja apenas o fone esquerdo, o direito, o estojo de recarga ou, no caso dos AirPods Pro, até mesmo a ponta de silicone.

Nós já informamos os preços de reparo dos AirPods Pro nos Estados Unidos; agora, com a chegada deles ao Brasil, a Apple divulgou os valores em reais. Confira na tabela abaixo:

Produto Troca de bateria Reparo (fora da garantia) Troca de produto perdido
AirPods Pro R$ 339 R$ 609 cada R$ 609 cada
Estojo de carga sem fio dos AirPods Pro R$ 339 R$ 609 R$ 679

A Apple aproveitou para fazer um pequeno reajuste no valor de reparo (“troca de bateria”) dos AirPods “comuns” — lembrando que, mesmo nesse caso, a Apple também pega o acessório “velho” e troca por um novo:

Produto Troca de bateria Reparo (fora da garantia) Troca de produto perdido
AirPods R$ 259 R$ 339 R$ 479 cada R$ 479 cada
Estojo de carga dos AirPods R$ 339 R$ 409 R$ 409
Estojo de carga sem fio dos AirPods R$ 339 R$ 479 R$ 539

Ponta de silicone

Em contato com a Apple, o MacMagazine foi informado que as pontas de silicone não podem (ainda?) ser adquiridas nas lojas físicas da empresa de forma avulsa — lá fora, elas são vendidas por US$4.

Lembrando que as pontas de silicone também são cobertas pela garantia dos AirPods Pro, caso apresentem algum defeito de fábrica.

AppleCare+ (garantia estendida)

Recentemente, a Apple passou a comercializar o AppleCare+ para AirPods. Pagando US$29, você protege os fones contra dois possíveis acidentes (trocando o produto mediante o pagamento de uma taxa de US$29 tanto para os AirPods Pro quanto para o estojo de carga sem fio), além de estender a garantia por mais um ano.

Infelizmente o AppleCare+ ainda não é vendido aqui no Brasil; ainda assim, a Apple honra o contrato estabelecido com o cliente — caso você tenha comprado AirPods nos EUA e colocado o AppleCare+ —, trocando o produto por aqui sem nenhum pagamento de taxa.


AirPods Pro

Botão - Comprar agora

AirPods Pro

de Apple

Preço à vista: R$ 2.024,10
Preço parcelado: em até 12x de R$ 187,42
Característica: fones sem fio com cancelamento de ruído
Lançamento: outubro de 2019


AirPods com estojo de recarga sem fio

Botão - Comprar agora

AirPods

de Apple

Preço à vista: a partir de R$ 1.214,10
Preço parcelado: em até 12x de R$ 112,42
Característica: fones sem fio
Lançamento: março de 2019

Polícia de Hong Kong apreende carga contrabandeada de iPhones, Apple Watches, iPads Pro e Macs no valor de R$4,3 milhões

Autoridades de Hong Kong apreenderam HK$25 milhões (equivalente a R$13,3 milhões) em produtos contrabandeados em um navio de carga que estava indo para a China continental, segundo informou o South China Morning Post. Na ação, três homens foram presos no que o jornal descreveu como uma das maiores apreensões de eletrônicos da história recente.

De acordo com a polícia local — e fica claro analisando as imagens do artigo — o estoque de produtos contrabandeados inclui iPhones, Apple Watches, iPads Pro e Macs os quais, sozinhos, representam HK$8,2 milhões (~R$4,3 milhões) dessa conta.

A operação aconteceu após uma investigação de dois meses feita em conjunto pela polícia e pela alfândega. O navio foi interceptado nas águas ocidentais de Hong Kong, perto da fronteira marítima com o continente. O barco de 50 metros foi então escoltado até a base da polícia marítima em Tai Lam, onde uma equipe de oficiais da alfândega levou cerca de uma hora para descobrir um compartimento secreto (embaixo do piso de uma cabine) usado para armazenar 65 caixas de mercadorias.

Contrabando de produtos Apple
Imagem: Handout

De acordo com a divisão de investigação marítima da alfândega, essa foi a primeira vez que um navio de carga foi usado para contrabandear produtos eletrônicos de alto valor para o continente nos últimos cinco anos — normalmente os contrabandistas usam lanchas rápidas.

Ainda seegundo as autoridades, esse é um exemplo claro de como contrabandistas tentam fugir dos impostos cobrados no continente — até 17% sobre valor agregado. Os oficiais estão investigando detalhes sobre o destino final da remessa.

Em Hong Kong, a importação/exportação de carga não declarada pode acarretar em uma pena máxima de sete anos de prisão, além de uma multa de HK$2 milhões (~R$1 milhão).

via Culf of Mac

Jennifer Aniston ganha 2º prêmio para “The Morning Show”; lançamento de “The Banker” gera mais polêmica

Após uma avalanche de notícias sobre estreias no serviço, a semana começou mais uma boa notícia para o Apple TV+ — e outra nem tanto.

Uma das produções mais populares da Maçã (“The Morning Show”) faturou o seu segundo prêmio! Por outro lado, a gigante de Cupertino continua lutando para lançar o filme “The Banker”, o qual já havia sido adiado.

Jennifer Aniston ganha SAG Awards

Ontem (19/1), ocorreu a 26ª edição do Screen Actors Guild (SAG) Awards, em Los Angeles. Mais uma vez, algumas apostas da noite incluíam o drama do Apple TV+ “The Morning Show”.

Como informamos em dezembro passado, a atriz Jennifer Aniston (que protagoniza o papel de Alex Levy) concorria na categoria “Melhor Atriz em Série Dramática”. E para a felicidade de Aniston (e da Apple), ela saiu do evento como a grande vencedora.

Confira o discurso de agradecimento da atriz:

Com isso, “The Morning Show” acumula agora dois prêmios: um Critics’ Choice Movie Awards (pela atuação de Billy Crudup como Melhor Ator Coadjuvante) e um SAG Awards.

Essa é a primeira vez que Anniston ganha nessa categoria do SAG Awards; sua última vitória na premiação foi em 1996, na categoria “Melhor Elenco de Série de Comédia” com “Friends”.

Crudup e Steve Carrell também foram indicados ao SAG Awards na categoria “Melhor Ator em Série Dramática”, mas o vencedor foi o ator Peter Dinklage (“Game of Thrones”).

Lançamento de “The Banker”

O drama em torno do lançamento do filme “The Banker”, do Apple TV+, continua: após Bernard Garrett Jr. (filho do banqueiro retratado na produção) ter sido acusado de abuso sexual pelas irmãs, a Apple alegou que tais acontecimentos ocorreram fora da narrativa desenvolvida no filme.

Com isso, os produtores sentiram que deveriam dar prosseguimento ao lançamento da produção, afirmando que “sentem que o filme conta uma história de empoderamento e bravura”.

No entanto, as irmãs de Garrett Jr. (Linda Garrett e Kathy Ussery Garrett) exigem que a Maçã cancele o lançamento do filme devido ao fato de a produção ser “imprecisa” no que tange à história do seu pai — mesmo que elas não sejam retratadas no longa e nem estiveram envolvidas na produção, como divulgado pelo Hollywood Reporter.

A história foi roubada e distorcida de forma que isso prejudicou a família. Eles [a produção] manipularam a narrativa.

A Apple, no entanto, não voltou atrás na decisão de lançar o filme no dia 6 de março. Contudo, como resultado da pressão familiar e do público, a companhia acrescentou um aviso declarando que ele é “baseado em fatos reais”, em vez de ser um filme biográfico.

via MacRumors, AppleInsider

Apple deverá abrir novo escritório na Alemanha para 1.500 funcionários

Como uma empresa global, a Apple tem seus pés fincados na Europa. Por lá, a base da empresa fica na Irlanda — ainda que exista uma grande expectativa por uma ampliação das operações no Reino Unido.

Isso, contudo, não quer dizer que a empresa não mantenha e pense em expandir seus tentáculos em outros países europeus: segundo informou o Süddeutsche Zeitun [Google Tradutor], a Maçã está pensando em abrir um novo escritório em Munique (na Alemanha).

A companhia já tem operações na cidade, no chamado Bavarian Design Center. Por lá, 300 engenheiros trabalham com chips de silício e outras tecnologias para dispositivos Apple. Mas os planos da empresa para a cidade mais populosa da Baviera parecem ser maiores.

Futuro escritório da Apple em Munique, na Alemanha
Render do prédio comercial “Karl”, projetado pelo arquiteto britânico David Chipperfield

O novo e suposto local da companhia será localizado em um novo prédio comercial que está sendo criado em Karlstrasse. Chamado “Karl”, o prédio está sendo construído onde antes ficava a sede da MAGAH e, quando terminado (provavelmente em 2021), deverá abrigar cerca de 1.500 funcionários.

A Apple teria alugado o espaço inteiro, de 30 mil metros quadrados, mas se recusou a responder perguntas sobre seus planos. Mesmo não comentando, a publicação alemã informa que Clemens Baumgartner (consultor de negócios) encontrou com Tim Cook na Oktoberfest durante uma visita do CEO à Alemanha em outubro de 2019.

Não está claro se os 300 engenheiros que já trabalham para a Apple em Munique serão transferidos para o novo escritório ou se a empresa manterá o local atual. Fato é que a Apple já está buscando pessoas para expandir sua equipe na cidade: mais de 60 vagas foram criadas as quais cobrem uma variedade áreas em pesquisa e desenvolvimento.

E com a recente aquisição dos negócios da Intel envolvendo modems 5G, é correto pensar que parte do novo espaço poderá ser usado pelos engenheiros da Intel baseados na Alemanha que trabalhavam por lá.

via MacRumors, AppleInsider

Depois de atrasos, Asphalt 9: Legends é lançado para macOS com uma ajudinha do Mac Catalyst

Finalmente, a novela do Asphalt 9: Legends no Mac está encerrada com um final feliz. Se vocês bem se lembram, a Gameloft (estúdio responsável pelo jogo) subiu ao palco da última WWDC para apresentar a versão do jogo para macOS, cujo desenvolvimento foi possível apenas por causa do Project Mac Cataylst.

Rapidamente, o título tornou-se (junto ao Twitter) um dos porta-bandeiras da tecnologia, sendo destacado na página do Mac Catalyst no site oficial da Apple. As coisas ficaram um pouco mais confusas, entretanto, quando o jogo foi retirado de lá, levantando especulações de que a Gameloft estaria tendo problemas no seu desenvolvimento.

Pois bem: quaisquer problemas que possam ter sido encontrados já foram solucionados, pois Asphalt 9: Legends já está disponível na Mac App Store.


Ícone do app Asphalt 9: Legends

Asphalt 9: Legends

de Gameloft

Compatível com Macs
Versão 1.9.7 (2.5 GB)
Requer o macOS 10.15 ou superior

Grátis

Badge - Baixar na Mac App Store

Código QR Código QR

Screenshot do app Asphalt 9: LegendsScreenshot do app Asphalt 9: LegendsScreenshot do app Asphalt 9: LegendsScreenshot do app Asphalt 9: LegendsScreenshot do app Asphalt 9: LegendsScreenshot do app Asphalt 9: Legends

O jogo traz basicamente a mesma experiência encontrada no iPhone e iPad, com um extenso catálogo de super-carros da vida real, pistas de tirar o fôlego e corridas desafiadoras. No Mac, os controles são todos realizados com mouse/teclado (ou com joysticks compatíveis) e o jogo pode rodar a até 60 quadros por segundo.

Temos os mesmos modos de jogo single player ou multiplayer, com corridas e eventos regulares acontecendo no ambiente do game. Naturalmente, todo o seu progresso em qualquer dispositivo fica sincronizado entre todos os aparelhos conectados à sua conta.

Asphalt 9: Legends está disponível gratuitamente na Mac App Store, com um bocado de compras internas que aprimoram o gameplay e desbloqueiam opções extras dentro do jogo. Vale lembrar que ele requer o macOS Catalina e no mínimo 2,5GB de espaço livre no disco. Boas corridas!