Vídeos em H.266 terão mais compressão em 8K sem perder qualidade

A Fraunhofer HHI escolheu esta semana para o anúncio oficial do H.266 (ou VVC — Versatile Video Codec), codec de vídeo que surge com a missão de ser o sucessor do H.265 (HEVC). Para tanto, o novo padrão vem com a promessa de aumentar a compressão em até 50% na comparação com o seu antecessor, sem prejudicar a qualidade do conteúdo.

Como exemplo, a Fraunhofer HHI explica que um vídeo de 90 minutos em 4K e que ocupa 10 GB de espaço com o codec H.265 vai exigir apenas 5 GB se for codificado em H.266. A menção a uma resolução alta não é mera coincidência: o novo codec foi desenvolvido com foco em transmissões 4K e 8K.

É verdade que vídeos em HD ou full HD ainda são mandatórios nos serviços de streaming, mas produções em 4K ganham cada vez mais importância e, dentro de alguns anos, um movimento similar deve acontecer com a resolução 8K. Mas, para que essa previsão se torne realidade, é necessário que haja condições técnicas para isso.

Até certo ponto, o H.266 é uma resposta a essa necessidade. Ao diminuir a quantidade de dados que um vídeo pode ter, mas sem prejudicar a sua qualidade de imagem, o codec ajuda a controlar o tráfego gerado por serviços de streaming e diminui a necessidade de espaço para armazenamento nos dispositivos do usuário, por exemplo — quando o assunto é 4K ou 8K, todo gigabyte economizado faz diferença.

Isso não quer dizer, no entanto, que o H.266 / VVC vai ser adotado imediatamente. Há outras variáveis que precisam ser consideradas. É necessário, por exemplo, ter hardware compatível — um smartphone só processará conteúdo em H.266 se tiver uma CPU capaz de lidar com o codec.

Também é preciso encarar a “concorrência”: a exemplo do YouTube, a Netflix está entre os serviços que apostam no AV1, codec aberto que também suporta conteúdo em alta definição e fornece compressão sem perda de qualidade.

H.266 / VVC logotipo

De todo modo, o H.266 tem a seu favor um nível de compressão que promete ser maior, além de ter sido preparado para conteúdo em HDR ou em formato de 360 graus, por exemplo.

O primeiro software para codificação e decodificação em H.266 será disponibilizado nos próximos meses, de acordo com a Fraunhofer HHI.

Ainda segundo a organização, o H.266 levou três anos para ser desenvolvido. Esse trabalho contou com a colaboração de companhias como Apple, Ericsson, Intel, Huawei, Microsoft, Qualcomm e Sony.

Vídeos em H.266 terão mais compressão em 8K sem perder qualidade

Recommended Posts